Redução de 50% no preço das carcaças abatidas no matadouro municipal

Redução de 50% no preço das carcaças abatidas no matadouro municipal

A Câmara de Miranda do Douro aprovou uma redução de 50% nos preços das carcaças de animais abatidos no matadouro municipal, esperando que este apoio se repercuta em toda a cadeia agropecuária da região, indicou hoje fonte da autarquia à Agência Lusa.

“Esta redução de 50% no preço pago é variável, já que é calculada em função do peso de cada carcaça. Até agora o preço praticado era de 42 cêntimos por quilo de cada bovino adulto. Com esta redução, o preço por quilo fica em 21 cêntimos”, disse à Lusa a vereadora com o pelouro da agricultura, Anabela Torrão.

Segunda a vereadora, o setor agropecuário representa considerável parte do sustento e empregabilidade da população mirandesa e com batente peso na ecomimia do concelho.

“O município tem implementado várias medidas de apoio a este setor agropecuário, do qual resultam produtos locais tão diversos e de qualidade superior”, vincou.

A medida é dirigida aos produtores pecuários de bovinos, ovinos, caprinos e suínos.

“O município de Miranda do Douro é a entidade detentora do matadouro municipal, equipamento que ao longo destes meses de pandemia esteve em pleno funcionamento, a fim de não suspender os abates e manter aberto um canal de escoamento dos produtos pecuários, nomeadamente a carne”, frisou Anabela Torrão.

Esta redução de preço no abate de animais vai vigorar a partir de quarta-feira e até ao 31 de dezembro de 2020, sendo aplicada a todos os produtores pecuários, “com exceção dos que, no dia da faturação, tenham dívidas ao município, em serviços de abate e distribuição, superiores em valor a 10 mil euros ou de prazo superior a 90 dias”.

Esta redução de 50% no abate de carcaças é tida como medida de apoio à economia local, perante a crise provocada pela covid-19.

O concelho de Miranda do Douro tem no seu território carnes com Denominação de Origem Protegida (DOP) como é caso dos bovinos de raça mirandesa, cordeiro de raça churra mirandesa ou o porco bísaro.

O artigo foi publicado originalmente em A Voz de Trás-os-Montes.

Comente este artigo
Anterior PCP questiona Governo sobre obras no Baixo Mondego por danos das cheias de 2019
Próximo Uma ceifeira na Comporta: a mais recente obra de Vhils é uma homenagem aos agricultores

Artigos relacionados

Nacional

Oportunidade de negócio: Empresa húngara procura produtores de azeite, sementes, frutos secos e leite

Uma empresa húngara, retalhista de produtos alimentares e processos industriais alimentares, está à procura produtores ou distribuidores de margarina, levedura, produtos de soja, […]

Últimas

Expomor 2017 – 2 de Setembro 2017 – Montemor-o-Novo

A Feira da Luz/Expomor decorre entre 30 de Agosto a 4 de Setembro de 2017, no parque de exposições e leilões de gado, […]

Ofertas

Oferta de emprego – Técnico Agrícola – Sintra

RPK Biopharma is a global pharmaceutical company wishing to recruit an Agricultural Technician […]