Recuperação de áreas ardidas na Serra do Açor ganha ritmo

Recuperação de áreas ardidas na Serra do Açor ganha ritmo

No final de setembro iniciaram-se ações de regeneração da Paisagem Protegida da Serra do Açor cujo desenvolvimento ganhou ritmo renovado e se estenderá durante próximos três anos.

Ações estas, enquadradas no projeto de recuperação das áreas ardidas em 2017 (PO SEUR -03-2215-FC-000098) materializam os objetivos definidos nas Resoluções do Conselho de Ministros, nº 167/2017, de 2 de novembro e nº 14/2019, de 21 de janeiro.

As operações incluem a limpeza moto-manual de matos e silvados (área prevista de 64ha), a limpeza da vegetação arbórea e arbustiva queimada e de espécies exóticas/invasoras dispersas (46ha). Englobam ainda a execução de faixas de gestão de combustíveis (14,5ha) e a preparação prévia das áreas invadidas por espécies exóticas/invasoras lenhosas, além do controlo da proliferação de eucaliptos (Eucalyptus sp.) e acácias (Acacia dealbata) (13,3ha).

Para 2022 e 2023, está prevista a rearborização com espécies autóctones (em cerca de 49ha), provenientes do viveiro da Senhora da Graça. Tal envolve já plantas germinadas a partir de sementes colhidas na própria Mata da Margaraça, com o objetivo de reforçar a regeneração natural ocorrida após o incêndio. O plano inclui ainda para 2023, no final das restantes ações, a beneficiação da rede viária, em 9 quilómetros, incluindo a recuperação e melhoria do sistema de drenagem de águas pluviais.

Entretanto foi já contratada uma equipa do Corpo Nacional de Agentes Florestais (CNAF) e adquirida uma viatura e respetivo equipamento. Foram também já concluídos os procedimentos de aquisição de diversos equipamentos e materiais (GPS, computador, brocadora, fatores de produção de plantas autóctones em viveiro), painéis informativos, sinalética e sistema de contagem de visitantes.

Além disso importa referir que desde o início do projeto decorreram diversas ações de controlo de acácia (Acacia dealbata), de plantações de espécies autóctones, limpeza de acessos, de matos e madeira queimada na Mata da Margaraça.

De acordo com os objetivos definidos nos diplomas referidos, o plano de regeneração procura atuar em vários patamares: na valorização, proteção e recuperação de habitats naturais, na recuperação de ecossistemas degradados por impactes severos, na prevenção da propagação de doenças e pragas. Não menos importante procura contribuir para a prevenção de novos incêndios e da erosão do solo.

O artigo foi publicado originalmente em ICNF.

Comente este artigo
Anterior Cotações - Cortiça - 27 de setembro a 3 de outubro de 2021
Próximo Agricultural sectors impacted differently by rise in input commodity prices

Artigos relacionados

Comunicados

Borras de café das cafetarias das lojas Auchan fertilizam solos dos produtores locais parceiros

As borras de café biológico provenientes das cafetarias das lojas Auchan vão passar a ser entregues a produtores locais parceiros da marca, para serem reaproveitadas como fertilizante de solos e […]

Dossiers

Cotações – Suínos – Informação Semanal – 21 a 27 Setembro 2020

Na semana em análise as cotações médias nacionais do porco classe E, do porco classe S e dos leitões, quer de <12 kg, quer de 19-25 kg, mantiveram-se estáveis em relação à semana anterior. [...]

Últimas

Somália declara “emergência nacional” devido a praga de gafanhotos

“O Ministério da Agricultura (…) declarou emergência nacional devido ao aumento atual dos gafanhotos, que constituem uma grande ameaça para a frágil situação de segurança alimentar na Somália”, […]