PSD propõe a criação de um pacto para os territórios de baixa densidade

PSD propõe a criação de um pacto para os territórios de baixa densidade

Álvaro Amaro alerta Comissão Europeia para a necessidade do reconhecimento das especificidades dos territórios de baixa densidade, com uma dotação financeira específica. 

O Eurodeputado do PSD, Álvaro Amaro, dirigiu hoje à Comissão Europeia uma pergunta escrita, subscrita pelos colegas do PSD, onde propõe a criação de um Pacto Europeu para os Territórios de baixa Densidade: “[a Comissão Europeia] não considera necessário, neste momento histórico, criar um novo Pacto Europeu que reconheça as especificidades dos territórios de baixa densidade, com uma dotação financeira específica?

Enquanto primeiro subscritor desta pergunta, Álvaro Amaro, membro da Comissão do Desenvolvimento Regional, esclarece que “não estamos a pedir mais dinheiro para os territórios de baixa densidade, mas simplesmente que se possa aproveitar a maior flexibilidade permitida e o acréscimo de fundos previsto no âmbito das medidas de combate ao COVID-19, para lançar medidas especificas de apoio a estes territórios à escala europeia, que se possam prolongar ao longo do próximo Quadro Financeiro Plurianual”, acrescentado que “consideramos mesmo absolutamente fundamental para o nosso futuro territorial enquanto União de Povos e Estados, agir já e proactivamente”.

Na pergunta enviada à Comissão pode-se ler que “no momento em que discutimos o Plano de Recuperação e o Instrumento “Next Generation EU” – que representa um efectivo Pacto Intergeracional (juntando-se ao Pacto Ecológico), julgamos ser também o momento de criar um Pacto para os territórios menos desenvolvidos da UE, que designarei de ‘baixa densidade’”, lembrando-se ainda que “o diagnóstico é conhecido e foi agravado pela pandemia, seja nas Regiões com baixo crescimento, seja nas Regiões com baixos rendimentos. Se não agirmos rapidamente, corremos o risco de ter largas parcelas do território simplesmente abandonadas, demograficamente deprimidas e economicamente deficitárias, particularmente nos serviços de proximidade”.

Álvaro Amaro, na missiva enviada, sublinha ainda que este “novo Plano de Recuperação, aposta fortemente na Política de Coesão (v.g. REACT-EU e a maior flexibilidade, cofinanciamento inexistente)” recordando que “a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von Der Leyen, afirmou que este “Plano de Recuperação transforma o enorme desafio que enfrentamos numa oportunidade”, pelo que acreditam ser agora o momento de “também tornar este Plano de Recuperação numa oportunidade para os territórios de baixa densidade, envolvendo, obviamente, neste desígnio, o Poder Local, Regional e os Estados-Membros”.

A pergunta escrita à Comissão Europeia foi subscrita pelos Eurodeputados do PSD, José Manuel Fernandes, Maria da Graça Carvalho e Cláudia Monteiro de Aguiar.

Comente este artigo
Anterior Comandante denuncia que Mirandela não tem equipa de combate a incêndios florestais
Próximo Alterações climáticas em Portugal: florestas num país mais quente e seco

Artigos relacionados

Notícias florestas

Incêndios: Observatório Técnico Independente critica falta de planeamento na Mata de Leiria

O Observatório Técnico Independente (OTI) dos incêndios criticou hoje, no parlamento, a falta de planeamento e de propostas para o futuro na recuperação da Mata Nacional de Leiria, inclusive o atraso na revisão do Plano de Gestão […]

Internacional

EU wine policy contributes to maintaining the reputation and competitiveness of EU wine

The EU’s wine policy has played a key role in the sector’s transition towards increased competitiveness, innovation and quality. This is among the key findings of […]

Nacional

Consórcio nacional quer criar Polo Europeu de Inovação Digital em Portugal

Um consórcio nacional, liderado pelo CoLAB de Idanha-a-Nova, candidatou-se para a criação de um Polo Europeu de Inovação Digital (EDIH) no valor de 10,8 milhões de euros. […]