PS quer PAC com “resultados mais justos e inclusivos”

PS quer PAC com “resultados mais justos e inclusivos”

A cabeça de lista do PS/A às Eleições Legislativas Nacionais lembrou que “foi com o governo de António Costa que foi estabelecida a isenção de 35% das contribuições para a segurança social dos produtores de leite”.

Isabel Almeida Rodrigues falava durante o comício do PS/A na ilha de São Jorge, recordando, deste modo, as medidas do PS nos últimos quatro anos, que se traduziram em benefícios para a ilha e para a Região, como é o caso da criação de “um regime de ajuda à proteção dos laticínios nos pontos de venda, como o leite e o queijo”. “(…) Queremos, na agricultura, lutar por uma negociação no âmbito da Política Agrícola Comum (PAC) que se traduza em resultados mais justos e inclusivos e que permitam que os fundos que venham a ser disponibilizados na Região façam justiça aos homens e mulheres que muito dão a este setor”, frisou citada em nota de imprensa.

Isabel Almeida Rodrigues defende a democratização do acesso ao ensino superior, bem como “melhorar o regime de licenças de parentalidade; aprofundar os mecanismos de partilha e de flexibilidade da licença e reforçar as licenças complementares de apoio familiar”.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Prevenção contra a Peste Suína Africana
Próximo Incêndios. Governo prolonga período critico até 10 de outubro

Artigos relacionados

Últimas

Governo acolhe prioridades do PAN: centrais termoeléctricas a carvão, tauromaquia e plásticos

Encerramento ou reconversão das centrais termoeléctricas a carvão do Pego, aumento do ordenado mínimo nacional. aumento da idade mínima para espectáculos tauromáquicos e fim do plástico de uso único até ao final do ano. […]

Últimas

GNR desmantela local de abate ilegal de animais em Pêro Pinheiro

O Comando Territorial de Lisboa da GNR — Guarda Nacional Republicana, através do Destacamento Territorial de Sintra, no dia 11 de Agosto, […]

Nacional

Empresas florestais reclamam inventários de cinco em cinco anos

A Associação Nacional de Empresas Florestais considera fundamental encurtar para cinco anos o prazo de atualização do Inventário Florestal Nacional, sem o qual diz não ser possível gerir ou planear estrategicamente o setor. […]