Projetos do setor primário na Beira Serra ascendem a 1,8 milhões de euros

Projetos do setor primário na Beira Serra ascendem a 1,8 milhões de euros

As candidaturas apresentadas a diferentes operações de valorização do setor primário em Arganil, Góis, Oliveira do Hospital e Tábua totalizam um investimento de 1,8 milhões de euros, foi anunciado.

Em comunicado, a Associação de Desenvolvimento Integrado da Beira Serra (ADIBER) adianta que os projetos em causa “enquadram-se em diferentes tipologias”, incluindo investimentos nas explorações agrícolas, na transformação e comercialização de produtos, na diversificação das atividades, na promoção das cadeias curtas e mercados locais.

Com sede em Góis, distrito de Coimbra, a associação, presidida por Miguel Ventura, refere também a existência de candidaturas “ao nível da renovação das aldeias e da promoção do associativismo”.

Concluído na segunda-feira o prazo em que decorreram as candidaturas às diferentes operações da medida 10-LEADER do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020), promovidas pelo Grupo de Ação Local (GAL) ADIBER para o território da Beira Serra, verifica-se que “foram apresentadas candidaturas que envolvem um investimento total de 1,8 milhões de euros”.

“De imediato, a equipa técnica iniciará a análise das candidaturas de modo a que o processo de decisão seja célere e se criem as condições para a sua execução”, afirma o presidente do órgão de gestão.

Segundo a ADIBER, devido ao “período crítico que o país tem vivido nos últimos meses, em virtude da pandemia da covid-19 e dos seus efeitos na economia local, verificou-se uma já esperada retração na habitual dinâmica apresentada pelos promotores desta região, face a anteriores períodos”.

“Não obstante, a procura de informações junto da ADIBER tem tido um acréscimo nas últimas semanas, o que faz antever que podemos estar a entrar num pleno processo de retoma da economia”, admite.

A associação de desenvolvimento reitera a aposta nas parcerias locais, para que os resultados da sua Estratégia de Desenvolvimento para a Beira Serra “correspondam às expectativas iniciais”, a fim de consolidar a Beira Serra “como um território +IN: inovador, inteligente, inclusivo, inimitável e institucional”.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Governo pondera crédito para produtores afetados pelo temporal no Centro e Norte
Próximo CAP e FNOP contestam importação de tomate marroquino

Artigos relacionados

Eventos

I Conferência Ibérica sobre Adaptação às Alterações Climáticas: Desafios e soluções do setor agrário para adaptar-se às alterações climáticas – 18 de novembro

Debateremos com os oradores sobre os desafios e possíveis soluções do setor agrário perante as alterações climáticas. Um colóquio que se estruturará em três painel de discussão e no qual a […]

Últimas

UE proíbe insecticida da Bayer com efeitos nefastos sobre abelhas

Os agricultores da União Europeia vão passar a ter, a partir do próximo ano, menos uma opção no que toca a pesticidas. […]

Dossiers

Incêndios: PSP deteve nove pessoas por fogo posto nos últimos nove meses

Nove detidos pelo crime de fogo posto e 115 autos de contraordenação resultaram da atividade de fiscalização da PSP, entre 01 de fevereiro e 31 de outubro, na prevenção e combate aos incêndios […]