Projeto na Sertã quer valorizar madeira de acácia para ser mais fácil combater a espécie

Projeto na Sertã quer valorizar madeira de acácia para ser mais fácil combater a espécie

A acácia, espécie classificada como invasora, tem vindo a crescer no país. Para combater a invasão, na Sertã, pensa-se em formas de aplicação da madeira, de guitarras elétricas a mobiliário urbano, para potenciar o seu abate.

No percurso até um pequeno espaço de lazer que está a ser construído a dois quilómetros da Barragem do Cabril, no concelho da Sertã, o caminho é por vezes ladeado de acácias que crescem de forma descontrolada.

“Já davam uns bons bancos”, comenta Alfredo Dias, vice-presidente do Centro de Inovação e Competências da Floresta (serQ), instituição sediada na Sertã, distrito de Castelo Branco, que tem trabalhado a aplicação da madeira de acácias.

Naquele pequeno espaço de lazer, numa encosta junto ao rio Zêzere, vão ser instalados os primeiros bancos e mesas de mobiliário urbano feitos a partir de madeira de acácia – parte dela retirada mesmo ali junto às margens do rio.

Matéria-prima, assegura Alfredo Dias, “não falta”, apontando para as manchas de acácias que nesta altura começaram a distinguir-se pelas suas flores amarelas.

Em março, é inaugurado aquele espaço de lazer, que contou com uma ação de reflorestação feita com a ajuda de rotários e da farmacêutica Bluepharma.

Este será um dos primeiros passos visíveis de uma ideia que nasceu quase ao mesmo tempo que o serQ, em 2015, mas que ganhou força há cerca de dois anos e meio, disse à agência Lusa Alfredo Dias.

A ideia “surgiu porque é uma madeira com um potencial interessante e que é um problema atualmente, porque a sua valorização é muito baixa. É preciso removê-la dos espaços florestais e considerou-se que uma boa ajuda para isso seria valorizar os produtos de madeira de acácia”, vincou.

A espécie, que tem um comportamento invasivo e que beneficia de fogos para se expandir, tem um custo de remoção “oneroso”, sendo que valorizar a sua madeira não deverá cobrir os “custos totais” do seu abate, mas pode pelo menos reduzir em parte as despesas, vincou.

No serQ, correm projetos a diferentes velocidades e com diferentes aplicações desta madeira.

O mobiliário urbano é um dos mais avançados, mas a equipa de investigadores trabalha também nas vertentes da aplicação da madeira com fins estruturais, como vigas ou painéis – investigação essa mais complexa.

Uma das investigadoras do centro, Sofia Knapic, aponta para aquilo que têm estado a experimentar desde a utilização apenas de acácia à conjugação desta com outras espécies, por exemplo, em vigas de madeira.

Porém, a aplicação pode também acabar em áreas menos expectáveis, como é o caso dos instrumentos musicais.

Eduardo Van Zeller, que fez investigação na área do design no serQ, mostra com orgulho duas guitarras elétricas feitas com madeira de acácia – a última em janeiro -, muito superiores “às guitarras de 300 euros” e mais leves cerca de um quilo.

“A acácia é uma madeira rígida, com veios belíssimos e uma estabilidade aparentemente boa” e com uma “ressonância espetacular”, frisou.

Depois de duas guitarras feitas com acácia, o designer de produto quer experimentar esta madeira noutros instrumentos, como xilofones ou baixos.

“Esta é uma espécie invasora, que queremos tirar das nossas florestas. Se conseguirmos dar-lhe um fim enquanto produto era uma mais-valia”, vincou.

Por aquele centro, criado em 2015 numa parceria entre a Câmara da Sertã, a Universidade de Coimbra e Laboratório Nacional de Engenharia Civil, vai-se continuar a testar aplicações da madeira na expectativa de contribuírem para o seu combate no país.

“A nossa expectativa é combater a invasão e queremos que o conhecimento que aqui temos feito tenha uma transferência para a sociedade”, realçou Alfredo Dias, esperando que em breve a indústria possa usar o conhecimento que ali está a ser desenvolvido.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior Se frenan los descensos en las cotizaciones de los corderos
Próximo Proposta para orçamento plurianual da UE “não é um bom sinal”, diz Carlos Moedas

Artigos relacionados

Nacional

Exportações agroalimentares subiram mais de 5% por ano na última década

“Nos últimos 10 anos, as exportações cresceram a um ritmo superior a 5% ao ano, quando comparamos com importações que cresceram 2,9% ao ano, […]

Sugeridas

Ameaça de seca extrema põe em risco milhões na agricultura

“Está o ambiente perfeito para uma seca aguda”, diz um agricultor de Castro Verde. Especialistas em ciências agrárias admitem que “tudo pode correr mal” se não chover abundantemente nas próximas semanas.
O mundo agrícola aguardava com expectativa que as previsões de chuva feitas em Abril […]

Nacional

Dominado fogo no cencelho de Penedono em Viseu

De acordo com a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEP), o fogo teve início às 17:49 de domingo, foi dominado às 02:45 de segunda-feira, […]