Projeto Florest@Conjunta: Os desafios globais das alterações climáticas e perda da biodiversidade como via para a gestão conjunta – 18 e 25 de junho

Projeto [email protected]: Os desafios globais das alterações climáticas e perda da biodiversidade como via para a gestão conjunta – 18 e 25 de junho

Nos próximos dias 18 e 25 de junho vão realizar-se, pelas 10h30, na presença do Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Paulo Catarino, 2 webinars, para a apresentação do Projeto [email protected]

Esta é uma iniciativa da FENAFLORESTA – Federação Nacional das Cooperativas de Produtores Florestais, em parceria com a Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA), o Fórum Florestal, o Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) e com a participação da Associação Florestal do Concelho de Ansião.

A primeira sessão (dia 18), acessível no canal do youtube [email protected], link disponível 24 horas antes, destina-se a fazer um retrato do estado atual da gestão florestal conjunta em Portugal, procurando aliar o desafio da gestão conjunta ao respeito pelas exigências do desenvolvimento global numa perspetiva sustentável.

→ Aceda aqui à primeira sessão ←

A segunda sessão (dia 25), no mesmo canal, à mesma hora, pretende debater o futuro da gestão florestal nas diferentes perspetivas e analisar de que forma o poder político poderá ajudar a encontrar os caminhos.

→ Aceda aqui à segunda sessão ←

A ideia deste projeto surgiu da necessidade de definir e identificar os diferentes modelos de gestão conjunta, classificando-os de acordo com as suas estruturas e definindo os responsáveis pela sua adequação, reunindo a informação de 30 modelos diferentes de gestão,  tendo criado e difundido um manual de gestão conjunta, divulgando  os bons exemplos e práticas em diferentes regiões de Portugal.

Isto porqueo Estado considera que lhe compete a si dinamizar a constituição de explorações florestais com dimensão que possibilite ganhos de eficiência na sua gestão, através de incentivos ao agrupamento de explorações, ao emparcelamento de propriedades e à desincentivação do seu fracionamento.

A promoção da gestão do património florestal nacional, pelo ordenamento das explorações florestais e da dinamização e apoio ao associativismo, é um dos objetivos da política florestal nacional consagrado na Lei de Bases da Política Florestal, Lei nº 33/96.

Recorde-se que para gerir a floresta de forma conjunta existem, atualmente, os seguintes modelos: Cooperativas Florestais, Associações Florestais, Organizações de Produtores Florestais (OPF’s), Empresas Florestais, Organizações de Comercialização de Produtos Florestais (OCPF), Baldios, Zonas de Intervenção Florestal (com 5 alterações regulamentares desde a sua fundação em 2005),  Unidades de Gestão Florestal (UGF), Entidades de Gestão Florestal (EGF) e gestão agrupada de forma formal e informal.

Estas Sessões contam com o apoio da CONFAGRI.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Azeite – Informação Semanal – 8 a 14 Junho 2020
Próximo REN entrega viaturas a sete corporações de bombeiros voluntários

Artigos relacionados

Nacional

Mais de mil operacionais combatem chamas de Vila de Rei e Mação

Mais de mil operacionais, apoiados por 319 viaturas, combatem o fogo de Vila de Rei e Mação, que já causou um ferido grave, […]

Últimas

Qualidade da água que abastece Lisboa pode estar em causa devido aos incêndios, dizem investigadores

Um estudo conclui que houve um aumento da eutrofização das águas na bacia do rio Zêzere, consumida na capital e arredores, na sequência […]

Últimas

Marcolino Sebo lança Quinta da Pinheira 2015

O produtor alentejano Marcolino Sebo acaba de lançar o Quinta da Pinheira 2015, um vinho produzido a partir das castas Trincadeira, […]