Produtores pecuários acusam Reitor da Universidade de Coimbra de “falta de rigor e manifesta demagogia”

A Fenapecuária — Federação Nacional das Cooperativas de Produtores Pecuários manifesta a sua “profunda indignação e preocupação com as declarações do Sr. Reitor da Universidade de Coimbra, repudiando-as veementemente pela falta de rigor e manifesta demagogia que acarretam”.

A direcção da Federação pede que “haja bom senso” e considera que o Governo “tem de assumir um papel activo na moderação deste debate”.

“Deixa-nos preocupados que o Sr. Reitor refira que a carne de vaca será substituída por nutrientes a serem estudados. Esses nutrientes não existem? Serão criados em laboratório? Que garantias terão de oferecer para que o Sr. Reitor os considere mais sustentáveis do que a carne de vaca?”

Constantes ataques

“Infelizmente, o sector pecuário começa a habituar-se aos constantes ataques daqueles que, por ignorância, fanatismo ou populismo, proferem declarações sem a necessária sustentação técnica ou científica”, realça um comunicado da Fenapecuária.

“No entanto, não podemos deixar de mostrar a nossa estupefacção quando este tipo de declarações são oriundas de instituições que têm a obrigação de garantir informação sustentada em factos científicos”, diz Idalino Leão, presidente da Federação.

Defesa do ambiente e da sustentabilidade

“Em defesa do ambiente e da sustentabilidade os cadernos de encargos das cantinas públicas devem, sim, introduzir variáveis como a distância onde são produzidos e consumidos os bens alimentares. Para isso, é importante que os partidos políticos estejam dispostos a fazer as respectivas alterações ao código da contratação pública”, refere o presidente da Fenapecuária.

E acrescenta que “é urgente que se promova o esclarecimento”, apelando ao bom senso de todas as partes, sendo que esta tarefa “cabe a todos e o Governo não deve passar ao lado”.

Nutrientes “criados em laboratório?”

Em tom jocoso, o comunicado da Federação Nacional das Cooperativas de Produtores Pecuários  refere ainda que “deixa-nos preocupados que o Sr. Reitor refira que a carne de vaca será substituída por nutrientes a serem estudados. Esses nutrientes não existem? Serão criados em laboratório? Que garantias terão de oferecer para que o Sr. Reitor os considere mais sustentáveis do que a carne de vaca?”

“Acreditamos que a racionalidade e o rigor, próprios de quem dirige uma instituição centenária e de mérito científico, internacionalmente reconhecido por todos acabará por se evidenciar no recuo desta medida, tal como apelamos a que a comunidade científica da Universidade de Coimbra faça prevalecer o uso da razão sobre uma decisão que não tem outro fundamento que não o político/populista”, pode ler-se no mesmo comunicado.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Eleições. Líder do PAN admite abolição de portagens no interior para fixar pessoas
Próximo Haja bom senso!

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios: Plano Operacional de Combate da Madeira entra hoje em vigor

O Plano Operacional de Combate a Incêndios Florestais (POCIF) da Madeira entra hoje em vigor com um dispositivo de intervenção permanente, podendo vir a ser reforçado caso seja necessário […]

Últimas

Altri quase duplicou lucros no primeiro trimestre, com subida de 19,1% no EBITDA

As receitas da produtora de pasta de celulose nos primeiros três meses deste ano registaram um aumento, na ordem dos 8,2%, de cerca de 165,7 milhões de euros para 179,2 milhões de euros. […]

Últimas

Live FNA: O Futuro das Raças Autóctones

O Colóquio Sprega dedicado ao tema “O Futuro das Raças Autóctones” vai decorrer no dia 9 de junho, no Estúdio CNEMA, durante a Feira Nacional da Agricultura. […]