Produtores pecuários acusam Reitor da Universidade de Coimbra de “falta de rigor e manifesta demagogia”

A Fenapecuária — Federação Nacional das Cooperativas de Produtores Pecuários manifesta a sua “profunda indignação e preocupação com as declarações do Sr. Reitor da Universidade de Coimbra, repudiando-as veementemente pela falta de rigor e manifesta demagogia que acarretam”.

A direcção da Federação pede que “haja bom senso” e considera que o Governo “tem de assumir um papel activo na moderação deste debate”.

“Deixa-nos preocupados que o Sr. Reitor refira que a carne de vaca será substituída por nutrientes a serem estudados. Esses nutrientes não existem? Serão criados em laboratório? Que garantias terão de oferecer para que o Sr. Reitor os considere mais sustentáveis do que a carne de vaca?”

Constantes ataques

“Infelizmente, o sector pecuário começa a habituar-se aos constantes ataques daqueles que, por ignorância, fanatismo ou populismo, proferem declarações sem a necessária sustentação técnica ou científica”, realça um comunicado da Fenapecuária.

“No entanto, não podemos deixar de mostrar a nossa estupefacção quando este tipo de declarações são oriundas de instituições que têm a obrigação de garantir informação sustentada em factos científicos”, diz Idalino Leão, presidente da Federação.

Defesa do ambiente e da sustentabilidade

“Em defesa do ambiente e da sustentabilidade os cadernos de encargos das cantinas públicas devem, sim, introduzir variáveis como a distância onde são produzidos e consumidos os bens alimentares. Para isso, é importante que os partidos políticos estejam dispostos a fazer as respectivas alterações ao código da contratação pública”, refere o presidente da Fenapecuária.

E acrescenta que “é urgente que se promova o esclarecimento”, apelando ao bom senso de todas as partes, sendo que esta tarefa “cabe a todos e o Governo não deve passar ao lado”.

Nutrientes “criados em laboratório?”

Em tom jocoso, o comunicado da Federação Nacional das Cooperativas de Produtores Pecuários  refere ainda que “deixa-nos preocupados que o Sr. Reitor refira que a carne de vaca será substituída por nutrientes a serem estudados. Esses nutrientes não existem? Serão criados em laboratório? Que garantias terão de oferecer para que o Sr. Reitor os considere mais sustentáveis do que a carne de vaca?”

“Acreditamos que a racionalidade e o rigor, próprios de quem dirige uma instituição centenária e de mérito científico, internacionalmente reconhecido por todos acabará por se evidenciar no recuo desta medida, tal como apelamos a que a comunidade científica da Universidade de Coimbra faça prevalecer o uso da razão sobre uma decisão que não tem outro fundamento que não o político/populista”, pode ler-se no mesmo comunicado.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior Eleições. Líder do PAN admite abolição de portagens no interior para fixar pessoas
Próximo Haja bom senso!

Artigos relacionados

Nacional

Produção mundial de vinho atinge os 292,3 milhões de hectolitros em 2018

A produção mundial de vinho atingiu, em 2018, os 292,3 milhões de hectolitros (mhl), segundo dados recentes da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), […]

Nacional

Líderes da UE buscam em Bruxelas acordo muito difícil sobre orçamento plurianual

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia reúnem-se a partir de quinta-feira, em Bruxelas, em busca de um acordo sobre o orçamento plurianual, […]

Últimas

Governo altera apoios à manutenção da atividade agrícola em zonas desfavorecidas

O Governo procedeu ao ajustamento dos apoios à manutenção da atividade agrícola em zonas desfavorecidas e sujeitas a condicionantes naturais significativas. […]