Produtores de morango de São Pedro Velho ‘sem mão a medir’

Produtores de morango de São Pedro Velho ‘sem mão a medir’

A aldeia do morango em Mirandela temia o pior devido à pandemia da covid-19, mas afinal os produtores não têm mãos a medir para tantas encomendas, depois das notícias dos receios na comunicação social.

“Está tudo a pedir, não temos mãos a medir”, disse à Lusa Armindo Alves, um dos produtores de morango de São Pedro Velho, a aldeia transmontana conhecida por esta produção e que este ano já cancelou a feira anual de Maio.

Com as medidas de contenção da pandemia, os produtores temiam que os cerca de 70 a 80 mil quilos de morango ficassem na terra, porém, há uma semana que Armindo e os restantes colegas começaram a apanha e as encomendas chegam de todo o lado.

De particulares a grossistas, todos querem morango. Os produtores não podem levar ao domicílio para responder a encomendas de particulares, mas estão a entregar a intermediários e grossistas de uma longa lista por toda a região de Trás-os-Montes, desde Mirandela a Bragança, Vinhais, Mogadouro, Chaves, Valpaços, Carrazeda de Ansiães.

Em grandes superfícies ou pequenas lojas locais, o morango de São Pedro Velho chegou ao mercado e não tem também faltado pessoal para a apanha.

Armindo Alves tem “pessoas do ano passado, que é certinho”, oito pessoas que vão trabalhar durante algumas semanas para apanhar “no mínimo 30 toneladas”, que crescem nos cerca de dois hectares deste produtor.

Armindo agradece à comunicação social que deu conta dos receios dos produtores e ao presidente da junta de freguesia, Carlos Pires, que tem apoiado a produção.

Também a Câmara de Mirandela ofereceu máscaras, álcool e luvas para os que participam na apanha.

Os cinco produtores de morango da aldeia têm, em média cada um, “sete a oito trabalhadores diários na apanha” e colhem entre “500 a mil quilos todos os dias”.

Um dos armazenistas (Frutas Cláudio) de Bragança que costuma receber a produção tinha anunciado o encerramento, mas afinal mantém-se de porta aberta e é um dos que está a vender o morango de São Pedro Velho.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Há uma bactéria mortal que pode fazer aumentar o preço do azeite
Próximo Covid-19: Apoio alimentar vai passar a abranger 90 mil pessoas em maio

Artigos relacionados

Notícias florestas

CEO da Navigator critica limitação de matéria-prima por “enviesamento ideológico”

O novo presidente executivo da produtora de pasta e papel considera que a produção de matéria-prima poderia ser uma forma de desenvolvimento do […]

Últimas

O Estado e o mundo rural – Henrique Pereira dos Santos

O mundo rural agradeceria melhor e maior segurança para as suas actividades quotidianas, abdicaria dos milhões gastos em ideias geniais que visam assinalar o amor acrisolado do Estado pelo mundo rural

Um destes dias, […]

Últimas

ViniPortugal quer investir mais de 7 ME na promoção internacional em 2021

A organização interprofissional ViniPortugal pretende investir mais de sete milhões de euros na promoção internacional no próximo ano, um plano que prevê 111 ações em 21 mercados, foi hoje […]