Produtor de fumeiro de Montalegre aposta nas redes sociais para dar a volta à pandemia

Produtor de fumeiro de Montalegre aposta nas redes sociais para dar a volta à pandemia

O produtor Germano Surreira, de Montalegre, está usar as redes sociais para divulgar e vender o fumeiro e presunto, uma aposta impulsionada pela pandemia de covid-19 e que está a surpreender pela adesão dos clientes.

Este funcionário público tem 50 anos e há 28 anos que participa na Feira de Montalegre, conhecida como a ‘rainha do fumeiro’ ou o ‘São João das chouriças’ e que é o ponto alto para o negócio dos produtores do concelho.

Numa altura de incertezas por causa da pandemia, Germano Surreira decidiu apostar nas redes sociais, designadamente no Facebook, para divulgar os seus produtos e a marca fumeiro de Montalegre.

“E as vendas estão a correr bem”, afirmou à agência Lusa.

Na sua cozinha, uma grande lareira onde ardem paus de carvalho aquece o dia frio nesta terra de montanha e seca um ‘estendal’ de salpicões, chouriças, farinhotas e sangueiras.

“O que aqui veem, praticamente, é tudo para entrega”, salientou.

Uma encomenda de presuntos já seguiu viagem e, nas próximas semanas, irá fazer as alheiras.

Germano Surreira tem clientes habituais, alguns de há muito tempo e, este ano, está a conquistar outros novos através das redes sociais, onde coloca imagens apelativas dos seus produtos.

Os contactos são feitos por telefone ou através de e-mail e as “encomendas vão ter a casa” das pessoas, muitas delas residentes na zona do Grande Porto. Os pedidos também já chegaram de Queluz e de Paris (França).

O produtor disse que “o menino ainda está a nascer”, referindo-se ao uso das redes sociais, mas acredita que esta aposta “vem para ficar”.

“A venda do futuro é ‘online’, porque hoje o mundo é assim”, salientou.

Nos anos anteriores, preparava o seu produto praticamente só para a feira e, em 2020, foi “ao contrário” e a procura “começou mais cedo”.

Germano concilia a atividade profissional com a de produtor. Todos os anos cria 10 porcos, só com produtos da horta, para, depois, transformar em fumeiro e tudo é feito de forma artesanal. “À moda antiga”, garantiu.

Este produtor é especialista no corte de presunto. Com perícia, corta fatias de presunto quase transparentes e adorna pratos com este produto que enchem o olhar e abrem o apetite.

Para além de vender o presunto inteiro, também o corta em pedaços ou em fatias, que podem ser vendidos em vácuo.

Germano Surreira antecipou-se no uso das novas tecnologias, mas desde 20 de dezembro está disponível uma plataforma ‘online’ para a venda de fumeiro de Montalegre, numa parceria entre o município e a Associação dos Produtores de Fumeiro da Terra Fria Barrosã.

O projeto arrancou antes da data prevista, em janeiro, devido à procura crescente com o aproximar da época do Natal.

Em Montalegre prepara-se a feira física, agendada entre 28 a 31 de janeiro, que será acompanhada de uma feira virtual, no entanto, à boleia da covid-19, o setor está a dar o salto que faltava para as novas tecnologias.

“Era um desafio que era obrigatório um dia ser assumido pela Associação de Produtores. Temos este hábito de, perante um problema, enfrentá-lo, ver uma oportunidade e assim fizemos com a sexta-feira-13 e, agora, com o fumeiro”, afirmou o vice-presidente da Câmara de Montalegre, David Teixeira.

O autarca destacou a adesão dos produtores, mesmo dos mais idosos, à plataforma, que representa uma “nova forma de venda do produto”.

Os consumidores poderão fazer as encomendas e pagar através da plataforma, por transferência bancária ou no ato de entrega, serão definidos dias de envio para determinadas zonas e o transporte vai ser feito em viaturas apropriadas para o efeito.

David Teixeira disse que se quer que o produto seja entregue no mesmo dia em que é enviado, assegurando “a qualidade” que “tinha na produção”.

Afirmou ainda que não se resigna que a “ambição” dos produtores “se esgote” com o final da feira e quer estender o período de comercialização destes “produtos únicos” como o salpicão, a alheira ou o chouriço de abóbora.

O objetivo da plataforma é conquistar novos mercados e proporcionar negócios por um período mais longo do que os quatro dias da tradicional feira.

À 30.ª edição, a Feira do Fumeiro perde a festa que juntava multidões e transforma-se num mercado que terá apenas à venda estes produtos e onde serão cumpridas “rigorosas medidas de segurança”.

Na feira realizada em janeiro do ano passado foram comercializadas cerca de 50 toneladas de fumeiro, com um volume de negócios na ordem dos três milhões de euros.

Há 58 produtores registados no município do distrito de Vila Real.

Comente este artigo
Anterior A valorização da castanha
Próximo A pandemia abriu os horizontes nacionais à The Summer Berry Company

Artigos relacionados

Conservação

Navigator ensina crianças em Setúbal a preservar o uso racional da água

A The Navigator Company, no âmbito do projecto “Dá a Mão à Floresta”, levará a cabo nos dias 31 de Outubro, […]

Últimas

Plano de abertura de candidaturas 2017


O PDR2020 acaba de disponibilizar o plano previsional de abertura de candidaturas para o ano de 2017. Neste plano vai encontrar o período em que o aviso se encontra aberto. […]

Últimas

Tarde de Engenharia “Produção de Cogumelos” – 28 de outubro – Funchal

A Região da Madeira da Ordem dos Engenheiros, através do Conselho Regional do Colégio de Engenharia Agronómica, organiza uma tarde de engenharia alusiva à Produção de Cogumelos, com […]