Produtividade da azeitona quadruplicou

Produtividade da azeitona quadruplicou

A produtividade média da azeitona passou de 0,5 toneladas de azeitona/hectare para 2 toneladas de azeitona/hectare nos últimos 18 anos. Os números constam do estudo ‘Alentejo: A Liderar a Olivicultura Moderna Internacional’, coordenado pela Consulai e pela Juan Vilar Consultores Estratégicos, apresentado hoje (26 de novembro) nas Jornadas da Olivum.

Portugal é o nono país com maior área de olival no mundo e o sétimo maior produtor mundial de azeite. A área de olival portuguesa representa atualmente 631.483 hectares dos quais 352.404 hectares são dedicados à produção de azeitona para azeite.

A produção de azeitona atingiu as 858.413 toneladas em 2017, um crescimento de 2,5 vezes em relação às 362.301 toneladas produzidas em 2006.

Produtividade da azeitona quadruplicou

Olival moderno domina

O olival tradicional ocupa uma área de 134.000 hectares, o que representa 37,2% do total nacional, com maior expressão em Trás-os-Montes e Beira Litoral. O olival moderno em copa ocupa 119.000 hectares (33,2% da área total) e está representado em todas as regiões de forma semelhante. Já o olival moderno em sebe ocupa 108.000 hectares (29,6% do total nacional).

Em 1999 apenas 2% do olival era moderno, mas atualmente já representa 63% da área total, o que revela “uma profunda transformação de um olival tradicional não competitivo para um olival moderno e eficiente”, indica o estudo.

Qualidade aumenta… e expectativas também

95% do azeite atualmente produzido em Portugal é certificado como virgem e virgem extra, um valor que compara com 72% em 2005, e que deixa o nosso país no top mundial dos produtores neste segmento de qualidade.

Ainda de acordo com este estudo “com o crescimento esperado nos próximos 10 anos, Portugal será a maior referência na olivicultura moderna e eficiente do mundo, e possivelmente o sétimo maior em superfície e o terceiro maior na produção mundial de azeite, o que não surpreende pelo facto do país já contar com duas empresas que são referências internacionais na produção de azeitona e embalamento de azeite”, pode ler-se. Acresce ainda a particularidade de Portugal ser uma das primeiras regiões do mundo onde se inicia a campanha da azeitona, beneficiando assim do fator precocidade.

Eficiência na mira

O estudo é perentório: dos 64 países que produzem azeite a nível internacional, Portugal é aquele que tem os melhores recursos para produzir de forma eficiente. Isto deve-se a 4 fatores fundamentais: “tamanho das explorações, disponibilidade de água, momento de maturação do fruto e as características inovadoras das suas explorações, sem esquecer o elevado nível tecnológico dos seus lagares que são os mais modernos do mundo”. Nota importante: esta situação ocorre, sobretudo, na área de influência do projeto de Alqueva.

Produtividade da azeitona quadruplicou

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Presidente da República condecora CAP como membro honorário da ordem de mérito empresarial
Próximo Marcelo defende aumento de salário mínimo perante preocupações de dirigentes agrícolas

Artigos relacionados

Últimas

Smurfit Kappa cria embalagem biodegradável para uvas

A Smurfit Kappa, líder do sector da embalagem de papel e cartão canelado, desenvolveu para um dos seus clientes um punnet para uvas, […]

Últimas

InVivo Quest Iberia 2019 – Start-ups challenge

Concurso desafia as start-ups ibéricas a encontrar soluções inovadoras para o setor agroalimentar […]

Comunicados

O GPP estima que a produção nacional de azeite tenha caído 31%

[Fonte: GPP] O GPP estima que a produção nacional de azeite tenha caído 31% na campanha 2016-2017, relativamente à campanha anterior, […]