Procura interna com maior influência que as exportações no crescimento do PIB

Procura interna com maior influência que as exportações no crescimento do PIB

[Fonte: Gazeta Rural]

A procura interna em 2018 teve maior influência no crescimento do PIB nacional do que as exportações, cuja influência no crescimento foi a mais baixa dos últimos nove anos. 

A procura interna em 2018 passou a ter uma maior influência no crescimento do PIB nacional do que as exportações. O aumento das exportações contribuiu para um crescimento de 0,8% do PIB, num total de 2,1%, a influência mais baixa dos últimos nove anos. A procura interna teve um contributo superior a 1,3%, com o consumo privado a ser determinante (1%). 

Segundo o estudo A Economia Portuguesa 2018, hoje divulgado pela Iberinform, esta procura interna, assente num conteúdo importado muito elevado, “não é sustentável e só o será com uma substituição competitiva das importações, inclusive das originadas pelas exportações.

São os veículos automóveis e componentes que continuam a estar por trás do aumento das importações para satisfação da procura externa (exportações) e da procura interna em 2018 (10,7%). As importações de equipamentos mecânicos aumentaram 17% e as importações de equipamentos elétricos e eletrónicos cresceram 12% para satisfazer a procura interna (investimento). O ferro e o aço também tiveram um forte aumento de 14,4%. No campo alimentar, o estudo destaca os aumentos das importações de carnes (10,8%), cereais (11,9%) e fruta (9,6%).

A atual política económica em Portugal tem tido como objetivo aumentar o PIB por via do estimulo da procura interna, tanto ao nível do consumo como do investimento, seja através de políticas de estimulo ao emprego e aumento de rendimentos (remunerações e pensões), como através da política orçamental, com aumento da despesa pública e diminuição dos impostos sobre os rendimentos das famílias. Contudo, como salienta o estudo hoje divulgado, “sem aumento da competitividade das exportações e substituição competitiva das importações, o estimulo à procura interna tem induzido sempre a um crescimento insustentável, sendo o sobre endividamento público e privado uma das suas manifestações.” No entanto, é reconhecido o reforço da prioridade à internacionalização.

Em 2018, as exportações de bens, excluindo os combustíveis, desaceleraram em quase todos os produtos da indústria, com destaque para os bens alimentares (3,4%), incluindo agricultura e pescas, têxteis (2,8%), plásticos (2,7%), metálicos (6,7%), moldes para plásticos (0,95) e outros equipamentos mecânicos (2,9%). Os equipamentos elétricos e eletrónicos tiveram mesmo uma variação negativa (-4,3%), tal como o calçado (-2,3%).  As exportações de serviços conseguiram determinar um saldo positivo da balança comercial de serviços em 2018 que compensou o défice da balança comercial de bens por via fundamentalmente das Viagens e Turismo. No entanto, esse excedente poderá estar em causa em 2019 que no seu primeiro trimestre teve um défice comercial de -734 M€, a demonstrar os limites do crescimento baseado numa procura interna e externa dependente de importações.

Contudo, em 2018, as exportações nacionais aumentaram novamente as suas quotas nas importações mundiais, 1,2% nos produtos e 3,4% nos serviços, o que evidencia ganhos de competitividade. De salientar o desempenho das Viagens e Turismo, com um aumento de 6,8%, atingindo 1,4% de quota mundial, e a afirmação da cortiça portuguesa que aumentou 3,3% para conquistar a primeira posição mundial com uma quota de 61%. Os moldes de plástico passaram da 8.ª para a 7.ª posição mundial com uma quota de 5,4% no total das exportações mundiais. O papel elevou a sua quota para 1,3% com um aumento de 3,6% e os veículos automóveis tiveram um forte aumento de 28,2% para alcançarem uma quota mundial de 0,60%.

Em 2018, foi reforçada a concentração das exportações nacionais nos principais mercados da União Europeia de maior proximidade geográfica, com os aumentos mais significativos a registarem-se em Espanha (6,2%), que aumentou o seu peso para 25,3%; França (7,1%) que aumentou o peso para 12,7%; Alemanha (7,1%) aumentou o seu peso para 11,5%, e Itália (27,4%) com um peso de 4,3%. De destacar ainda os aumentos registados na Áustria (48,3%), Polónia (20,9%) e Suécia (16,7%). Com variações negativas mais significativas destacam-se Angola (-15%), China (-21,6%) e Brasil (-13,9%).

A economia portuguesa está condicionada por um contexto internacional onde as ameaças superam as oportunidades. A vulnerabilidade da integração europeia, o Brexit, as fragilidades do protecionismo, os riscos das economias emergentes, a variação negativa da procura mundial ou o aumentar dos riscos geopolíticos na América, com especial destaque para a Venezuela, com uma ampla comunidade lusa, são algumas dessas ameaças. Em contra tendência, o recente acordo da União Europeia com o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), complementar aos acordos com os países andinos da Colômbia, Peru e, potencialmente, Equador, abre quase toda a América do sul ao comércio livre com a EU, com destaque para as cadeias de valor automóvel e alimentar, que serão favoráveis a Portugal. 

No plano do mercado interno, a economia portuguesa continua condicionada pelo excessivo endividamento do Estado, não profundamente modernizado, pelas fragilidades das instituições financeiras com as suas imparidades e contingências, grande parte delas estatizadas e nacionalizadas, e pelas famílias com níveis de endividamento e de tributação melhorados, mas ainda muito elevados. 

No primeiro trimestre de 2019, o contributo das exportações para a variação do PIB nacional foi negativo (estimado em -0,4%), tendo a procura interna sido determinante para o crescimento de 1,8% do PIB, com um contributo de 2,2%. As previsões apontam para que as exportações mantenham um menor contributo para um menor crescimento do PIB, de 0,4% em 2019 e 0,5% em 2020 e 2021. O cenário de crescimento do PIB antevê um crescimento de 1,7% em 2019 e de 1,6% em 2020 e 2021. 

Comente este artigo

O artigo Procura interna com maior influência que as exportações no crescimento do PIB foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Anterior As emissões de GEE e as alterações climáticas
Próximo El MAPA propone que la futura PAC recoja la retirada de manera obligatoria de aceite de oliva por parte de todo el sector

Artigos relacionados

Últimas

Jaime Gómez-Arnau é o novo chairman da sapec agro business

Jaime Gómez-Arnau foi nomeado, desde  15 de Fevereiro de 2018,  o novo Chairman do Conselho de Administração da Sapec Agro Business reforçando a empresa no seu caminho de internacionalização e crescimento global, […]

Nacional

Investigador garante que Açores possuíram cerca de 40 unidades de transformação de chá

[Fonte: Açoriano Oriental]

O responsável pela obra “História do Chá em São Miguel (século XIX)”, que resulta de uma tese de doutoramento, […]

Últimas

Incêndios. Governo prolonga período critico até 10 de outubro

[Fonte: SAPO 24]

O Governo prolongou hoje o período crítico de incêndios até 10 de outubro, […]