Processo-crime de animais mortos há um ano em incêndio em Santo Tirso está “parado”

Processo-crime de animais mortos há um ano em incêndio em Santo Tirso está “parado”

Um ano volvido sobre o incêndio na serra da Agrela que matou dezenas de animais em dois abrigos ilegais, o processo-crime instaurado estás “parado” no Tribunal Judicial de Santo Tirso, disse à Lusa o advogado.

Pedro Ribeiro de Castro é o advogado do processo que reuniu as “várias queixas-crime que se fundiram num processo”, mas também um dos que na serra da Agrela, em 18 de julho de 2020, tentou evitar a morte dos animais atingidos pelo incêndio iniciado na véspera em Valongo.

É, por isso, com alguma “surpresa” que, um ano depois, vê “continuar parado o processo” acionado e que, no caso concreto do partido Pessoas–Animais–Natureza (PAN), depressa identificou os alvos: o presidente da Câmara de Santo Tirso, Alberto Costa, elementos da GNR local, Proteção Civil de Santo Tirso, o ex-veterinário municipal Jorge Salústio e as proprietárias dos abrigos ilegais “Cantinho das Quatro Patas” e “Abrigo de Paredes”.

“Aqui chegados, que conste no processo, ainda ninguém foi ouvido. Aliás, o PAN foi notificado para apresentar prova dos factos denunciados, o que muito nos admirou, pois acontece ao fim de um ano e depois de ter apresentado um rol de 25 testemunhas e mais um CD cheio de fotografias e de vídeos. Imaginamos que possa ter havido um equívoco no Ministério Público”, relatou o advogado.

Pedro Ribeiro de Castro acrescentou que “foram também entregues autópsias feitas aos animais que perderam a vida nos incêndios”.

A Lusa contactou o tribunal que confirmou ainda não ter sido deduzida a acusação.

Afirmando desconhecer “quantos animais morreram e quantos foram salvos” naquele dia, o advogado acrescenta, na primeira pessoa, mais episódios ao vivido na serra da Agrela.

“Participei no resgaste dos animais, estive lá no dia 18, e nas duas semanas seguintes, procurei e encontrámos cerca de 10 animais que fugiram para a serra”, relatou, antes de deixar críticas ao apoio que “não existiu”.

Segundo Pedro Ribeiro de Castro, “se tivesse havido um resgate concertado das autoridades policiais com a Proteção Civil e as associações que estiveram no local, as coisas tinham corrido da melhor forma e nem se verificava aquela indignação popular, porque o que se assistiu no local foi uma inoperância e uma omissão terrível da parte dos órgãos de polícia criminal que estiveram no local”.

Por isso, vincou, a “versão dada pela GNR não corresponde, de todo, à verdade dos factos, como todos os que lá estiveram testemunham”.

Pedro Ribeiro lembrou que, naquele dia, os populares que estiveram no local a tentar socorrer os animais acusaram a GNR de os impedir de entrar nos abrigos, o que terá provocado a morte de mais cães e gatos.

Por seu lado, acrescentou, a GNR alegou não os deixar entrar naqueles espaços por se tratar de propriedade privada.

O advogado deixou outro lamento relacionado com aquela autoridade: “O comandante Brás, da GNR de Santo Tirso, fez uma data de queixas contra cidadãos que estavam na serra da Agrela no dia do incêndio e desse processo já há constituição de arguidos por difamação e injúrias, continuando o principal, que é o nosso, sem arguidos”.

As primeiras denúncias, recordou o advogado, foram feitas em 2017, mas o processo-crime acabou arquivado, ficado no ouvido de Pedro Ribeiro de Castro a “frase do então médico veterinário de Santo Tirso, Jorge Salústio, que afirmou: os cães têm comida e água”.

Jorge Salústio, que, segundo informação divulgada a 30 de junho pela Ordem dos Médicos Veterinários, vai ser alvo de um processo disciplinar, foi suspenso das suas funções e substituído no cargo por Hélder Tulha, no dia seguinte ao incêndio.

Para assinalar o primeiro ano da tragédia, o PAN vai organizar no domingo, junto ao “Cantinho das Quatro Patas”, em evento que será transmitido pelas 16:00 nas redes sociais e que contará com a presença da porta-voz Inês Sousa Real.

Comente este artigo
Anterior Câmara de Santo Tirso contabilizou 73 animais mortos no incêndio de 2020
Próximo Carta para Sustentabilidade da Região Demarcada do Douro junta mais de 30 instituições

Artigos relacionados

Nacional

Covid-19: Trabalhadores agrícolas vão ser vacinados em Torres Vedras

A ‘task-force’ criada pelo Governo para coordenar o plano de vacinação contra a covid-19 autorizou vacinar os trabalhadores das explorações hortícolas do concelho de Torres […]

Últimas

Estruturas representativas dos agricultores e olivicultores reclamam objetividade: Desinformação prejudica a Agricultura no Alentejo e exemplos de boas práticas


A Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo e a Olivum, Associação de Olivicultores do Sul rebatem, em conjunto, […]

Dossiers

Cotações – Cereais – 26 de julho a 1 de agosto 2021

Nos cereais de outono-inverno, a acentuada redução dos teores de humidade do solo na fase de enchimento do grão não permitiu alcançar as […]