Problemas de água “podem resolver-se com água do Tejo”, mas ‘Projeto Tejo’ fica de fora do PNI 2030

Problemas de água “podem resolver-se com água do Tejo”, mas ‘Projeto Tejo’ fica de fora do PNI 2030

[Fonte: Vida Rural]

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) acredita que os problemas de água nas regiões do Oeste, Ribatejo e Setúbal podem resolver-se com o aproveitamento da água do Tejo, mas o ‘Projeto Tejo’, apresentado em fevereiro de 2018, ficou de fora do Plano Nacional de Investimentos 2030 (PNI 2030).

De acordo com Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP, citado pela Lusa, a falta de acesso à água “constitui um problema” nestas regiões, sendo que, no Oeste, “a principal região produtora de frutas e hortícolas e um dos motores da exportação de produtos agrícolas”, o problema é ainda mais “premente, porque a água que existe já não é suficiente e é preciso garantir no futuro a continuidade da agricultura”.

O presidente da CAP diz que “é fundamental que o Governo olhe para estas regiões como sendo regiões a precisar de um projeto para garantir água à agricultura e pôr-se a engenharia a pensar no assunto e começar-se a ter decisões”, seja, ou não, através do ‘Projeto Tejo’, que prevê o aproveitamento de água do Rio Tejo.

Para Oliveira e Sousa, o facto de o ‘Projeto Tejo’, estimado em 4,5 mil milhões de euros em investimento, não estar contemplado no Plano Nacional de Investimentos (PNI) 2030 é motivo de preocupação, já que “era necessário que o projeto estivesse nas intenções de investimento desde já”.

De acordo com a Lusa, fonte oficial do Ministério da Agricultura confirmou já que o ‘Projeto Tejo’ não está incluído no PNI2030, que destina 750 milhões de euros a projetos de regadio no país. Capoulas Santos, ministro da Agricultura, diz a esse respeito que “não existe um projeto, mas uma ideia visionária de um projeto”, motivo pelo qual não o pode incluir nos investimentos a beneficiar dos próximos fundos comunitários “sem que seja estudado”.

À Lusa o Ministério da Agricultura diz ainda que “está a avaliá-lo tecnicamente e a proceder a estudos que permitam saber, em primeiro lugar, se há água” [no futuro] face às alterações climáticas e ao acordo com Espanha na gestão da bacia do Tejo, e depois “ver se o projeto tem viabilidade e os custos/benefícios”.

O ‘Projeto Tejo’ estabelece como meta regar com águas do rio Tejo cerca 300 mil hectares de terrenos agrícolas, dos quais 240 mil no Ribatejo, 40 mil no Oeste e 20 mil em Setúbal.

Comente este artigo

O artigo Problemas de água “podem resolver-se com água do Tejo”, mas ‘Projeto Tejo’ fica de fora do PNI 2030 foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Banco de Fomento e BCP acordam empréstimo de 60 milhões a empresas
Próximo Industria Alimentar - Projecto Inov C 2020

Artigos relacionados

Nacional

Indústria de curtumes lamenta impacto da eliminação da carne de vaca na Universidade de Coimbra

[Fonte: SAPO 24]

Para Gonçalo Santos, a decisão do reitor da Universidade de Coimbra não teve em conta o impacto nas atividades económicas do país e que são potenciais empregadoras dos alunos das universidades, nomeadamente de Coimbra.
Assim, explicou, além da importância da indústria da carne de bovino na agricultura e no país, […]

Últimas

“Açores são um bom exemplo em matéria de segurança alimentar”

[Fonte: Açoriano Oriental]

O secretário regional da Agricultura e Florestas afirmou, em Lisboa, que os Açores são um “bom exemplo” em matéria de segurança alimentar, uma área estratégica onde tem sido realizado um grande investimento público ao nível infraestrutural, mas também formativo e de qualificação dos agentes do setor. […]

Nacional

E se viver no campo fosse uma tendência?

[Fonte: Público]

Portugal é um país relativamente pequeno. Grande parte da população e dos seus recursos estão concentrados apenas nalgumas cidades no litoral e parece não existir vontade por parte dos nossos governantes para inverter esta situação.
Vejamos o Alentejo que aguarda, […]