Prevenção estrutural de fogos nas áreas protegidas com apoios de 26 milhões de euros

Prevenção estrutural de fogos nas áreas protegidas com apoios de 26 milhões de euros

Com financiamento do Fundo Ambiental, do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos e dos programas operacionais regionais, está em curso a quarta geração de projetos de prevenção estrutural de incêndios e de reabilitação de ecossistemas nas áreas protegidas.

Nesta fase, são abrangidos cinco parques naturais (Litoral Norte, Alvão, Serra da Estrela, Sintra-Cascais e Vale do Guadiana). O investimento nestes projetos é de 5,1 milhões de euros. No último quadriénio, o investimento neste tipo de intervenções ascende a 26,1 milhões de euros.

Estes programas de intervenção foram criados pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática, na sequência dos incêndios de 2016. Com a aprovação do Plano-Piloto para o Parque Nacional da Peneda Gerês, em 2017, mobilizaram-se 8,4 milhões de euros.

No mesmo ano foram lançados mais cinco projetos semelhantes em áreas protegidas (Parques Naturais de Douro Internacional, Montesinho, Tejo Internacional, Serra da Malcata e Monumento Natural de Portas de Ródão), com um investimento global de 4 milhões de euros.

Em 2019 aprovou-se a terceira geração dos projetos, incidindo em oito áreas protegidas (Parques Naturais da Serra de São Mamede, das Serra de Aire e Candeeiros, da Arrábida, do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina e da Ria Formosa, Reserva Natural das Lagoas de Sancha e Santo André e Paisagens Protegidas da Serra do Açor e da Arriba Fóssil da Costa de Caparica), com investimento global de 8,5 milhões de euros.

No Parque Nacional da Peneda Gerês, desde a criação do programa, a área ardida reduziu-se em 85% face à média da última década.

No mesmo período, na totalidade das áreas protegidas portuguesas, a redução da área ardida foi de 80%.

Nota enviada pelo Ministério do Ambiente e Ação Climática.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Cinco parques naturais recebem investimentos de 5,1 milhões de euros
Próximo Agropecuária condenada a pagar 1,5 milhões de euros por descargas indevidas - APA

Artigos relacionados

Nacional

Quercus pede declaração de estado de emergência climática para o Alentejo

Para combater as alterações climáticas, o presidente da Quercus defendeu que deve haver um trabalho conjunto com o Estado e as autarquias, […]

Últimas

Os últimos 17 anos na produção de leite em Portugal – Carlos Neves

Em 2004, liderando na altura a Associação dos Jovens Agricultores do Distrito do Porto, organizei uma viagem inesquecível ao Norte de Espanha. Fomos à procura […]

Últimas

Abordagem ao glifosato dá prémio a cientista

O cientista Ainhoa ​​Zulet, do Instituto de Pesquisa Multidisciplinar em Biologia Aplicada (IMAB) da Universidade Pública de Navarra, recebeu o XII Prêmio SEMh-PHYTOMA. […]