Governo avisa que limpeza das matas contra incêndios continua a ser obrigatória

Governo avisa que limpeza das matas contra incêndios continua a ser obrigatória

O prazo termina a 30 de abril, depois de ter sido prorrogado, por decisão do Executivo, na sequência do estado de emergência. Ministro do Ambiente avisa que limpeza continua a ser obrigatória e que é um serviço essencial.

“A prevenção estrutural contra incêndios é um serviço essencial” e, como tal, deve ser realizada mesmo em tempo de estado de emergência. Aliás, mantém-se “a responsabilidade de todos os proprietários de terrenos rurais que têm de continuar a fazer o corte do mato nas suas propriedades”. O aviso vem do Ministro do Ambiente e da Ação Climática, que esta segunda-feira divulgou um vídeo no Twitter a relembrar a importância de o país se preparar para o verão e para as inevitáveis épocas de incêndios.

Na mensagem, dirigida aos profissionais do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), mas também a todos os que trabalham nas áreas rurais e florestais e em especial aos proprietários de terrenos rurais, João Pedro Matos Fernandes, apela para que não se deixem de cumprir todas as obrigações com vista à redução dos riscos de incêndio.

“Agradeço-lhes muito, recordo que a sua tarefa é uma tarefa continuada que não pode nunca ser interrompida”, sublinhou o ministro. “Peço-vos que continuem, porque do vosso trabalho resulta uma redução significativa do risco de incêndio para o verão que aí virá.”

O prazo para limpeza das matas, tanto por entidades públicas, como por privadas, terminava, de acordo com a lei do Sistema Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios, a 15 de março, devendo os proprietários assegurar a gestão de combustível florestal. Entretanto, e na sequência do decreto do estado de emergência, o prazo foi prorrogado para 30 de abril.

Para quem não cumpra, estão previstas coimas que variam entre 280 e 120.000 euros. Além disso, se os proprietários privados não procederem à limpeza, as câmaras municipais têm de se lhes substituir e garantir, até 31 de maio, a realização de todos os trabalhos.

Continue a ler este artigo no Jornal de Negócios.

Comente este artigo
Anterior PAN pede audição sobre o impacto da Covid-19 na protecção, bem-estar animal e saúde pública
Próximo Associações e agricultores algarvios pedem apoios à pequena produção

Artigos relacionados

Vídeos

CEREALTECH – Centro Nacional de Competências dos Cereais Praganosos, Oleaginosas e Proteaginosas

O CEREALTECH – Centro Nacional de Competências dos Cereais Praganosos, Oleaginosas e Proteaginosas – reúne toda a fileira que representa, nomeadamente a produção (ANPOC), a investigação […]

Últimas

Nove meios aéreos combatem incêndio que reativou em Castelo Branco

“O incêndio reativou às 15:31, está em curso e estão os meios no terreno a combater as chamas”, explicou fonte do Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) de Castelo Branco à […]

Dossiers

Produção de cereja em Alfândega da Fé regista quebras superiores a 50%

Segundo as estimativas da Cooperativa de Alfândega da Fé, a produção de cereja prevista para este ano deveria situar-se nas 70 a 80 toneladas. […]