Precipitação e temperaturas amenas beneficiam desenvolvimento vegetativo de pastagens e forrageiras

Precipitação e temperaturas amenas beneficiam desenvolvimento vegetativo de pastagens e forrageiras

As temperaturas elevadas e a precipitação de Março conduziram a um avanço no desenvolvimento vegetativo dos prados permanentes (semeados ou espontâneos) e das culturas forrageiras anuais, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE), no seu Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Abril de 2020.

O impacto será particularmente visível durante o mês de Abril quando, previsivelmente (com a manutenção dos teores de água no solo e o aumento das temperaturas), se atingirá o pico de produção de matéria verde.

Ao longo do mês foi possível alimentar os efectivos nos pastos, complementando a dieta com alimentos grosseiros armazenados e rações industriais em quantidades consideradas normais para a época.

Março quente

O mês de Março caracterizou-se, em termos meteorológicos, como quente (em relação à temperatura) e normal (em relação à precipitação). A temperatura média do ar, 12,3 °C, foi superior à normal (1971-2000) em 0,4 °C, o mesmo sucedendo com a precipitação média, que registou o valor de 71,9 mm, correspondente a 118% do valor normal 1971-2000.

No final de Março, e de acordo com o índice meteorológico de seca PDSI, verificou-se uma diminuição da intensidade da seca meteorológica nas regiões a sul do Tejo, tendo deixado de existir a classe de seca extrema no Algarve e Baixo Alentejo.

O teor de água no solo, em relação à capacidade de água utilizável pelas plantas, registou, face ao final de Fevereiro, uma ligeira diminuição nas regiões do Norte e Centro e um aumento na região Sul, nomeadamente no Baixo Alentejo e Algarve.

Reservas hídricas

Quanto às reservas hídricas, o volume de água armazenado nas albufeiras de Portugal continental encontrava-se nos 69% da capacidade total, muito próximo do valor registado no final do mês anterior (68%) mas significativamente abaixo do valor médio de 1990/91 a 2018/19 (77%).

A precipitação ocorrida ao longo do mês ainda não permitiu recuperar, principalmente nas explorações da região Sul, os níveis de armazenamento das charcas e albufeiras de pequena dimensão considerados normais para esta época do ano.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Agricultor em estado grave em acidente com trator em Celorico de Basto
Próximo Agro Vieira: Vieira do Minho mantém feira agrícola - 5 a 7 de junho

Artigos relacionados

Últimas

Ministro diz que não “atira a toalha ao chão” na negociação dos fundos estruturais

O ministro do Planeamento, Nelson de Souza, disse esta sexta-feira que Portugal não vai “atirar a toalha ao chão” na negociação dos fundos estruturais, […]

LIVE

Live-stream Agroglobal 2020: Agricultura de precisão – 9 de setembro – manhã

Livestream Agroglobal 2020: Agricultura de precisão – 9 de setembro – manhã […]

Sugeridas

AgroVida novembro – Um lampejo de bom senso – editorial de Teresa Silveira

O Ministério da Agricultura foi reduzido a mínimos. A supressão, em contraciclo com a UE-28 […]