Praga de gafanhotos. UE manda mais 10 milhões de euros para África

Praga de gafanhotos. UE manda mais 10 milhões de euros para África

A Comissão Europeia decidiu doar mais 10 milhões de euros para o combate da praga de gafanhotos que está a assolar a África Oriental.

Segundo o comunicado divulgado nesta quinta-feira, trata-se de “uma das pragas de gafanhotos-do-deserto mais graves desde há décadas” e pode ter “consequências devastadoras para a segurança alimentar” daquela região.

Na África Oriental, 27,5 milhões de pessoas sofrem de grave insegurança alimentar e, pelo menos, mais 35 milhões estão em risco, sublinha a nota de Bruxelas.

“Esta crise mostra, uma vez mais, a fragilidade dos sistemas alimentares confrontados com ameaças”, sublinha a comissária responsável pelas Parcerias Internacionais, Jutta Urpilainen.

“A abordagem da UE, em consonância com o Pacto Ecológico, centra-se na sustentabilidade. Temos de reforçar a capacidade de resposta coletiva a estas ameaças, mas também temos a responsabilidade de intervir de imediato com determinação para evitar uma crise grave, combater as causas profundas desta catástrofe natural e proteger os meios de subsistência e a produção alimentar”, defende ainda.

A Comissão Europeia está a trabalhar em conjunto com a ONU – em concreto, com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), que já elaborou um plano de resposta – e também com o Programa Alimentar Mundial.

Mas importa alargar de imediato as intervenções nacionais para apoiar os governos dos países afetados, defende a Comissão no comunicado, relembrando a vulnerabilidade das populações afetadas.

A contribuição de 10 milhões de euros da UE, anunciada nesta quinta-feira, complementa o milhão de euros dos fundos humanitários já mobilizado (na semana passada).

Nuvens de gafanhotos invadem África Oriental

A UE seguirá uma abordagem conjunta de ajuda humanitária e desenvolvimento para fazer face à crise e proteger os meios de subsistência, remata a nota.

A praga mais destrutiva

O gafanhoto-do-deserto é considerado, ao nível mundial, a praga mais destrutiva causada por espécies migratórias. As perdas de culturas e alimentos nas zonas afetadas podem ser enormes, gerando impactos negativos diretos e dramáticos na agricultura e nos meios de subsistência.

Segundo a Comissão Europeia, a situação na África Oriental deteriorou-se rapidamente no espaço de um mês e a época das chuvas, que deverá começar em março, vem propiciar uma nova vaga reprodutiva destes insetos.

Estão já ser comunicados prejuízos nas culturas e nas pastagens no Quénia, na Etiópia e na Somália – os três países mais afetados – podendo as perdas alastrar rapidamente a outros países vizinhos, como o Jibuti, a Eritreia, o Sudão do Sul, a Tanzânia e o Uganda. O Iémen, o Sudão, o Irão, a Índia e o Paquistão estão também em risco.

O plano de resposta da FAO estima que sejam necessários cerca de 70,3 milhões de euros para as ações mais urgentes, tanto no que respeita ao controlo dos gafanhotos-do-deserto como à proteção e à recuperação dos meios de subsistência agrícolas.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Olive oil: EU’s support scheme contributes to alleviate pressure on market
Próximo Penacova reforça combate à vespa velutina com instalação de 400 armadilhas

Artigos relacionados

Últimas

Primeras cotizaciones en almendra de nueva cosecha


Ya se ha iniciado la recolección de almendra en zonas del sur y Levante penínsular y la Lonja de Albacete comenzó […]

Últimas

Cotações – Bovinos – Informação Semanal – 17 a 23 Fevereiro 2020

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
As cotações médias nacionais dos novilhos e novilhas de 12 a 24 meses de raça Turina mantiveram-se estáveis em relação à […]

Nacional

Abril é mês de declarar as existências de suínos

Os proprietários de explorações de suínos devem proceder à submissão da declaração de existências, durante o mês de abril de 2019, reportando-se ao primeiro dia desse mês. […]