Praça da fruta das Caldas da Rainha transferida para a Expoeste

Praça da fruta das Caldas da Rainha transferida para a Expoeste

A praça da fruta das Caldas da Rainha, ex-líbris turístico que tradicionalmente se realiza a céu aberto, vai passar a realizar-se num pavilhão de exposições para cumprir as regras sanitárias e de distanciamento durante a pandemia.

A praça, que se encontrava suspensa desde o dia 16 de março, irá funcionar, a partir de sexta-feira na Expoeste — Pavilhão de Feiras e Exposições “com rigorosas regras sanitárias e de proteção para que esteja garantida a segurança de quem compra e de quem vende”, divulgou hoje a câmara das Caldas da Rainha.

Sendo a praça única do país que ainda se realiza a céu aberto, e um emblema turístico da cidade, a mudança é uma medida “temporária” lançada pela autarquia “para continuar a manter o mercado vivo, apoiando produtores e vendedores locais a escoar os seus produtos, bem como garantir o acesso dos caldenses às frutas, legumes e outros alimentos que ali são comercializados”.

A mudança para o novo espaço contou com a adesão dos cerca de 100 vencedores que habitualmente ocupam o tabuleiro da praça, mas, segundo a câmara, “nem todos estarão presentes diariamente”, estimando-se uma média “de 40 a 70 bancas” a funcionar diariamente.

No pavilhão vão ser montadas as mesmas bancas usadas no mercado a céu aberto, mas colocadas de forma a respeitar uma distância de dois metros entre cada vendedor.

“Os corredores, com seis metros de largura, asseguram uma circulação desafogada e segura”, informou a autarquia, sublinhando também que os produtos expostos “estarão protegidos por uma película”.

A autarquia investiu 30 mil euros na preparação do pavilhão e vai distribuir por todos os vendedores “um kit de proteção” composto por máscara, luvas e gel e determinou que “os clientes também deverão utilizar máscara”.

Para evitar que as pessoas coloquem os sacos no chão estarão disponíveis carrinhos de compras no pavilhão que funcionará todos os dias da semana, entre as 08:00 e as 15.30.

Num comunicado emitido hoje, a câmara anunciou para uma fase posterior, o lançamento de uma plataforma de venda online dos produtos da praça, com entregas ao domicílio.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Produtores que entregam excedente à solidariedade social apoiados pelo Ministério da Agricultura
Próximo Unanimidad en los Estados de la UE: Reivindican la importancia de la PAC y reclaman una respuesta “unida y fuerte” al sector agrario

Artigos relacionados

Internacional

Slaughter of cattle: welfare issues assessed

EFSA has published an assessment of the welfare of cattle at slaughter, based on the most up-to-date scientific studies and research. The scientific opinion is the latest in a […]

Dossiers

A Certificação promove a rentabilidade florestal

A 2BForest dinamiza a certificação FSC® para grupos de gestão florestal e para empresas de exploração e comercialização de produtos florestais […]

Últimas

Mil genomas do melão. Conhecer o passado para melhorar o futuro

No ano 2012 o projeto Melonomics – um consórcio público-privado – liderado por investigadores do Centro de Investigação em Agrigenómica – CRAG (IRTA-CSIC-UB-UAB) – conseguiu a primeira sequência completa do genoma do melão. […]