Portugal no pelotão da frente na corrida aos fundos do Plano Juncker. Já recebeu mais de 2,5 mil milhões

Portugal no pelotão da frente na corrida aos fundos do Plano Juncker. Já recebeu mais de 2,5 mil milhões

Portugal mantém-se no pelotão da frente no que toca à corrida aos apoios comunitários do Plano Juncker, tendo recebido ou já prometidos mais de 2,5 mil milhões de euros em fundos que depois irão dar origem investimentos globais de 9,5 mil milhões.

De acordo com o último balanço feito pela Comissão Europeia, que se prepara agora para ter um novo executivo, Portugal surge no terceiro lugar do ranking dos Estados membros mais apoiados pelo plano Juncker, isto tendo em conta a dimensão da economia (ou seja, medido em percentagem do PIB). Esta lista é liderada pela Grécia, que garantiu fundos na ordem dos 2,7 mil milhões de euros, seguida da Estónia, com financiamentos comunitários de 158 milhões.

Em termos absolutos, o país que tem mais apoios do plano Juncker é França, totalizando os 13,7 mil milhões de euros, que juntamente com fundos privados desencadearão investimentos globais de mais de 71 mil milhões de euros.

No global, segundo a Comissão, o Plano Juncker, lançado para animar a economia e o mercado de trabalho da região, após os anos de crise, deverá fomentar investimentos no valor de 433,2 mil milhões de euros no espaço comunitário. A Comissão dá apoios a projetos entrando com uma verba inicial, cerca de um terço, com o setor privado a completar o resto do financiamento.

Em Portugal, o Plano Juncker já financiou projetos como a Science4You, com 10 milhões de euros, para o desenvolvimento de novos produtos de brinquedos educacionais e para a expansão dos negócios. A Águas de Portugal recebeu um empréstimo global de 420 milhões do Banco Europeu de Investimento (BEI) para a melhoria das infraestruturas, num investimento que deverá criar mais de 7.400 postos de trabalho. O BEI também já emprestou 16 milhões à Nova SBE para a construção do novo campus, em Carcavelos.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Chegou a hora das “universidade verdes”
Próximo Terra Maronesa contrapõe reitor de Coimbra e garante produção amiga do ambiente

Artigos relacionados

Últimas

Acordo de Glasgow “ficou aquém”, mas há avanços importantes

Países como a China e a Índia, dois dos maiores produtores de carbono do mundo, faltaram à chamada na conferência do clima, que, apesar dos percalços, […]

LIVE

Live: Soluções financeiras Millennium para associados da CAP

Na tarde de 19 de Julho realiza-se, através da plataforma Zoom, uma sessão de esclarecimento para apresentação dos vários produtos financeiros que o Banco Millennium propõe aos associados […]

Últimas

Suspensão V Gala de Entrega dos Prémios Porco D’Ouro

Face ao agravamento da situação epidemiológica da pandemia de Covid-19, a direção da FPAS informa que foi deliberada a suspensão da data da […]