Portugal não vai devolver verbas a Bruxelas este ano

Portugal não vai devolver verbas a Bruxelas este ano

Está cumprido. Não teremos de devolver um único cêntimo”. A garantia é dada pelo secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, ao DN/Dinheiro Vivo. Está assim posto de parte do risco de Portugal não conseguir cumprir a regra da guilhotina.

De acordo com as regras europeias, os países têm de gastar o correspondente ao orçamento de cada ano nos três anos seguintes. Se não o fizerem, o montante remanescente tem de ser devolvido a Bruxelas. Esta determinação é referente ao atual quadro comunitário de apoio — o Portugal 2020 — porque durante o QREN os Estados-membros eram obrigados a executar as verbas dois anos anos depois.

Ou seja, em cada programa operacional é necessário dividir a dotação por sete (correspondente ao número de anos do quadro) e é esse o valor que é necessário executar três anos depois. É a chamada regra do N+3, ou da guilhotina. Portugal nunca teve de devolver dinheiro a Bruxelas a não ser ao nível das pescas e da agricultura.

Em setembro foram acionadas as campainhas de alarme, porque Portugal ainda não tinha executado todas as verbas necessárias — 1,71 mil milhões de euros. Na altura faltavam executar 132 milhões. Mas agora, o secretário de Estado Nelson Souza avança que já foram formalizados 2.668 milhões de euros, um valor que coloca Portugal entre os primeiros a nível comunitário. “A obtenção deste resultado um mês antes do limite de 31 de dezembro dificilmente terá sido conseguido noutros países”, disse o responsável em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

A obtenção deste resultado um mês antes do limite de 31 de dezembro dificilmente terá sido conseguido noutros países.

Nelson Souza

Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão

De acordo com os dados avançados pelo jornal, a 17 de novembro, os onze programas em que o Portugal 2020 se divide estavam já acima da meta. O PO Açores lidera, estando 406% acima do que Bruxelas exigia para o fecho do ano, seguido do Programa Operacional Capital Humano (+352%) e do PO Madeira (+312%). Os desempenhos mais fracos, mas ainda assim com a regra cumprida estão os programas do Alentejo e Lisboa (+11% e +17%).

Comente este artigo
Anterior As doenças do lenho e outras patologias – novos tratamentos sem mitos! - 13 de Dezembro 2017 - Vila Real
Próximo Digitização enquanto futuro do sector - 12 de Dezembro 2017- Lisboa

Artigos relacionados

Últimas

Aula Aberta – Políticas Públicas para a Segurança Alimentar e Nutrição – 17 de dezembro – Lisboa

Conta com a presença da Eng.ª Maria José Tropa e da Dra. Telma Nogueira […]

Últimas

Abertas candidaturas ao prémio ADVID

As candidaturas ao Prémio ADVID estão a decorrer até 31 de maio, inclusive, para os trabalhos publicados em 2019 em áreas científicas com relevância para a vitivinicultura nacional, […]

Nacional

Open Português de Pastoreio regressa a Idanha

O Open Português de Pastoreio – Concurso de Condução de Rebanhos está de regresso de 22 a 24 de fevereiro ao Monte das Areias, […]