Poluição de pesticidas coloca 64% dos terrenos agrícolas em risco

Poluição de pesticidas coloca 64% dos terrenos agrícolas em risco

Um estudo de investigadores australianos, publicado no Nature Geoscience, revela que o risco da poluição causada por pesticidas, a nível global, atinge 64% dos terrenos aráveis. A Universidade de Sydney, em notícia do siterevela que a investigação produziu um modelo de mapeamento global do risco da poluição causada por 92 químicos geralmente utilizados em pesticidas agrícolas, em 168 países.

 pesticide1 1024x644

O mapa também revelou que é no continente asiático que existe um maior risco de poluição, com a China, a Malásia e as Filipinas a possuírem o maior deles. A investigação recorda que algumas destas áreas são importantes para a produção alimentar mundial.

A autora principal do estudo, Fiona Tang, afirmou que o uso generalizado de pesticidas na agricultura – ao mesmo tempo que aumenta a produtividade – pode ter potenciais implicações para o ambiente, para a saúde humana e animal.

“O nosso estudo revelou que 64% das terras aráveis do mundo estão em risco de poluição por pesticidas. Isto é importante porque a literatura científica mais ampla descobriu que a poluição por pesticidas pode ter impactos adversos na saúde humana e no ambiente”, afirmou a investigadora.

O estudo também cruzou o risco de poluição por pesticida com a escassez de água e a biodiversidade.

 pesticide 1024x658

“Embora as terras agrícolas na Oceânia demonstrem o menor risco de poluição por pesticidas, a bacia de Murray-Darling da Austrália é considerada uma região de grande preocupação, tanto devido aos seus problemas de escassez de água, como à sua elevada biodiversidade”, disse o coautor da investigação, Federico Maggi.

A investigadora Fiona Tang acrescenta que “globalmente, o nosso trabalho mostra que 34% das áreas de alto risco estão em regiões de alta biodiversidade, 19% em nações de baixo e baixo rendimento médio e 5% em áreas escassas de água”.

Perspetivas para o futuro

“Num clima mais quente, à medida que a população global cresce, espera-se que o uso de pesticidas aumente para combater o possível aumento das invasões de pragas e para alimentar mais pessoas”, afirmou o professor associado Federico Maggi.

Fiona Tang afirma que “embora a proteção da produção alimentar seja essencial para o desenvolvimento humano, a redução da poluição por pesticidas é equivalentemente crucial para proteger a biodiversidade que mantém a saúde e as funções dos solos, contribuindo para a segurança alimentar”.

“Recomendamos uma estratégia global de transição para um modelo agrícola global e sustentável que reduza o desperdício alimentar, reduzindo ao mesmo tempo o uso de pesticidas”, referem os autores do artigo.

A investigação foi conduzida por Julia Tang e Federico Maggi da Faculdade de Engenharia, e por Manfred Lenzen e Alexander McBratney da Faculdade de Ciências.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Francisco Gomes da Silva é o novo diretor geral da CELPA
Próximo A importância do controlo precoce das infestantes no milho

Artigos relacionados

Vídeos

Faça Chuva Faça Sol – T.3 Ep.9

Neste programa viajámos até Mértola, onde está a ser testada uma nova forma de fazer agricultura. Chama-se agricultura sintrópica e procura aliar […]

Nacional

Covid-19: Especialistas em Engenharia Alimentar elaboram guia de boas práticas alimentares

O Grupo de Especialistas em Engenharia Alimentar da Ordem dos Engenheiros elaborou recentemente um “Guia básico de boas práticas […]

Últimas

Incêndios. União Europeia “está pronta para aumentar a sua assistência” se Portugal solicitar

O incêndio que começou cerca das 15:00 de sábado na localidade de Fundada, Vila de Rei (distrito de Castelo Branco) e se estendeu ao início da noite ao concelho de Mação (distrito de Santarém) permanece ativo há […]