Política Agrícola Comum segue caminho “desastroso”, dizem ambientalistas

Política Agrícola Comum segue caminho “desastroso”, dizem ambientalistas

O próximo quadro de apoio da Política Agrícola Comum (PAC) segue “um caminho desastroso”, de apoio a quem causa problemas ambientais e sem ter em conta a falta de água ou a degradação dos solos, dizem ambientalistas.

O alerta é feito através de um comunicado de duas entidades: a associação ambientalista portuguesa Zero e a organização europeia “European Environmental Bureau” (EEB), uma federação de organizações ligadas ao ambiente.

As duas entidades sustentam ser já claro que os novos fundos da União Europeia (UE) vão continuar a favorecer a “agricultura insustentável” em Portugal, amplificando os principais problemas ambientais, “incluindo as alterações climáticas, a perda de biodiversidade, a escassez e a poluição de água, a degradação do solo e a resistência aos antibióticos”.

A nova PAC, de 270 mil milhões de euros, diz respeito ao período 2023-2027 e deverá ser decidida numa reunião no fim de semana entre os negociadores da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e os ministros nacionais, depois de as negociações terem fracassado em maio passado.

A agricultura é a maior causa do declínio das populações de fauna e flora selvagens na Europa e é também uma grande contribuinte para o aquecimento global”, e nos próximos cinco anos pouco vai mudar porque a maior parte do dinheiro vai ser destinado a “empreendimentos agrícolas com enormes impactes ambientais”, diz-se no comunicado.

Em Portugal, acrescenta-se, as propostas vão no sentido de se voltar “a servir o lóbi da agricultura industrial, incentivando o uso insustentável da água, desviando fundos ambientais para atividades que podem prejudicar seriamente o ambiente, e permitindo o declínio contínuo das paisagens tradicionais portuguesas a favor da industrialização do espaço rural em zonas de regadio por um lado e, por outro, o desamparo dos sistemas agrossilvopastoris”. Em resumo, Portugal “prepara-se para continuar a apoiar quem causa os problemas ambientais e sociais”.

O plano estratégico de Portugal para a nova PAC deve ser enviado à Comissão Europeia até ao final do ano e as duas organizações dizem temer que contemple uma “cedência ainda maior aos interesses ligados à agricultura industrial”, a aposta nos grandes regadios coletivos de iniciativa estatal e um consequente aumento do consumo de água e desaparecimento das paisagens tradicionais.

A Zero e o EEB ressalvam que há medidas de apoio à agricultura de alto valor ambiental em habitats dentro da Rede Natura 2000, mas dizem que os valores de investimento são baixos. E depois, acrescentam, as medidas ambientais podem até agravar os problemas que visam combater, porque não há responsabilização pelas más práticas.

Depois há os apoios aos jovens agricultores. Zero e EEB dizem que “podem vir a beneficiar largamente cidadãos sem atividade agrícola real e sem intenções de viver em áreas rurais”.

Comente este artigo
Anterior Webinar: II SFCOLAB International Wednesday's Meeting: Agricultura Inteligente: Necessidade ou Luxo - sob a perspetiva do Produtor - 30 de junho
Próximo Associação Portuguesa do Ambiente aprova central fotovoltaica na herdade da Torre Bela

Artigos relacionados

Últimas

Seca leva agricultores do Alentejo a procurarem mais depósitos de água para o gado

A situação de seca na zona do Campo Branco (Beja) está a levar as explorações agrícolas a recorrerem mais à utilização de depósitos de água para abeberamento do […]

Últimas

Olhar o presente: Perspetivar o futuro da agricultura – Fontainhas Fernandes

Olhar o presente na agricultura exige interpretar os principais desafios societais à escala planetária, como a sustentabilidade ambiental e a economia circular, as alterações climáticas, as pandemias e a […]

Últimas

Oferta de estágio – Técnico Florestal – Engenheiro Florestal – Centro

Empresa consultoria no sector florestal, encontra-se a recrutar, para apoio do corpo técnico da Área de Certificação Florestal da 2BForest, […]