Plataforma digital pretende mobilizar sociedade contra desperdício alimentar

Plataforma digital pretende mobilizar sociedade contra desperdício alimentar

O desperdício alimentar representa 1,3 mil milhões de alimentos desperdiçados por ano que, se aproveitados, poderiam alimentar 3 mil milhões de pessoas. Uma realidade que esteve na base da criação em Portugal do Movimento Unidos Contra o Desperdício (MUCD) que lança uma plataforma digital que agrega «toda a informação útil e relevante e pretende ser o site de referência em Portugal na luta contra o desperdício alimentar».

A nova plataforma digital disponível aqui  contém uma área de notícias, dados estatísticos actualizados, informação sobre a temática por entidades nacionais e internacionais. Uma área dedicada às boas práticas para evitar o desperdício alimentar disponibiliza dicas e desafios que ajudam o cidadão comum a melhor compreender como é possível contribuir para a redução do desperdício de alimentos, reduzindo a montante a sua produção e aproveitando as sobras através de receitas apelativas.

Para Francisco Mello e Castro, do Movimento Unidos Contra o Desperdício, «o novo site vem apoiar, de forma mais sólida, o Movimento na chamada de atenção e consciencialização para uma indispensável mudança de atitudes e comportamentos. A informação disponibilizada pretende impactar todos os intervenientes, apelando, através de diferentes conteúdos, a um maior sentido de responsabilidade colectiva em torno do desperdício alimentar, que sendo um absurdo económico, implica o desperdício de recursos e tem impactos a nível social e Ambiental».

O Movimento Unidos Contra o Desperdício nasceu no primeiro dia, instituído pelas Nações Unidas como “Dia Mundial de Consciencialização para as Perdas e o Desperdício Alimentar”, a 29 de Setembro de 2020, fruto do envolvimento de 10 entidades fundadoras de diversos sectores que se uniram. O seu objectivo é chamar a atenção, consciencializar e mudar atitudes, ao longo de toda a cadeia, impactando todos os intervenientes: os que produzem, os que fabricam, os que transformam, os que embalam, os que transportam, os que consomem, e os que descartam os resíduos.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas, Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Portugal Fresh com inscrições abertas para participação conjunta na Fruit Attraction
Próximo Sin tendencia clara en el mercado de la almendra

Artigos relacionados

Últimas

Alerta: programa CoopJovem já abriu candidaturas

[Fonte:Vida Rural]
Foi publicado na passada semana em Diário da República o regulamento que abre as candidaturas ao programa CoopJovem e que define as regras de acesso ao financiamento. […]

Ofertas

Oferta de Emprego – Gestor de Departamento de Peças Agrícolas (M/F) – Santarém

Grupo empresarial de referência na importação de tractores e máquinas agrícolas pretende contratar responsável para a gestão da sua operação de venda de peças a revendedores.

Últimas

Prevenir a transmissão de SARS-CoV-2 de pessoas a mamíferos selvagens de vida livre

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) elaboraram um conjunto de recomendações gerais para minimizar o risco de […]