Pequenos frutos à espera de desempregados e vítimas do lay-off

Pequenos frutos à espera de desempregados e vítimas do lay-off

Quebra das vendas e dos preços, falta de mão de obra e mais custos de produção levam associações a pedir ajudas adicionais

Três organizações de produtores de pequenos frutos – Lusomorango, MadreFruta e AHSA (Associação dos Horticultores, Fruticultores e Floricultores dos Concelhos de Odemira e Aljezur) – apontam para a necessidade de o setor poder aproveitar os trabalhadores em e recém-desempregados, para fazer face às exigências das colheitas que se aproximam.

Os três organismos dirigiram um novo apelo aos ministros da Economia, do Trabalho e da Agricultura, face à “rápida deterioração das condições da sua atividade empresarial”.

Queixam-se da “quebra de vendas; redução do preço médio dos produtos em 40%; aumento dos custos de produção; subida dos custos de transporte e logística e falta de mão de obra”.

Juntas, estas três Organizações de Produtores (OP) de Pequenos Frutos representam, em termos anuais, 140 milhões de euros de volume de negócios e 120 milhões de euros de exportações. Em termos de emprego, respondem por cerca de cinco mil postos de trabalho, mais de metade permanentes.

Em carta enviada aos governantes, as OP deram a conhecer as dificuldades no terreno e sugerirem medidas adicionais de apoio ao setor hortofrutícola e dos pequenos frutos, em particular. Só desta forma, garantem, conseguirão “assegurar a atividade e o emprego”.

Entre as medidas complementares sugeridas, constam a eliminação por 6 meses da TSU ou o adiamento do pagamento de IRC para as empresas do setor. Mas, sobretudo, pedem que sejam implementados mecanismos de retirada de produto do mercado, “de forma a adequar e a regular a oferta à procura – uma possibilidade que a regulamentação comunitária já contempla para outras frutas, como pera, melancia ou tomate, mas que não está prevista para pequenos frutos (framboesas, morangos, amoras, mirtilos)”.

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior Comunicação Secretário-Geral da CAP sobre a Campanha 2020 e as Candidaturas ao PU
Próximo Disponível Newsletter da CAP Frutos & Hortícolas

Artigos relacionados

Últimas

Comité de Agricultura do PE aprova parecer de iniciativa sobre mecanismos para volatilidade de mercados

O parecer constata que os mecanismos atuais são insuficientes para combater a volatilidade dos mercados. Apela à CE que use os atuais mecanismos de gestão de risco ao seu máximo, […]

Nacional

Bloco de Esquerda propõe moratória à instalação de amendoal e olival intensivo em todo o país

[Fonte: O Jornal Económico] Deputados bloquistas recomendam também ao Governo que “proceda à limitação e ordenamento destas culturas com base em critérios ambientais de preservação dos solos, […]

Últimas

Fruticultura 2019 – 4ª Sessão de Divulgação – 12 de dezembro – Alcobaça

Como tem sido hábito nos últimos anos, a Estação Nacional de Fruticultura Vieira Natividade vai realizar […]