Pequenos frutos à espera de desempregados e vítimas do lay-off

Pequenos frutos à espera de desempregados e vítimas do lay-off

Quebra das vendas e dos preços, falta de mão de obra e mais custos de produção levam associações a pedir ajudas adicionais

Três organizações de produtores de pequenos frutos – Lusomorango, MadreFruta e AHSA (Associação dos Horticultores, Fruticultores e Floricultores dos Concelhos de Odemira e Aljezur) – apontam para a necessidade de o setor poder aproveitar os trabalhadores em e recém-desempregados, para fazer face às exigências das colheitas que se aproximam.

Os três organismos dirigiram um novo apelo aos ministros da Economia, do Trabalho e da Agricultura, face à “rápida deterioração das condições da sua atividade empresarial”.

Queixam-se da “quebra de vendas; redução do preço médio dos produtos em 40%; aumento dos custos de produção; subida dos custos de transporte e logística e falta de mão de obra”.

Juntas, estas três Organizações de Produtores (OP) de Pequenos Frutos representam, em termos anuais, 140 milhões de euros de volume de negócios e 120 milhões de euros de exportações. Em termos de emprego, respondem por cerca de cinco mil postos de trabalho, mais de metade permanentes.

Em carta enviada aos governantes, as OP deram a conhecer as dificuldades no terreno e sugerirem medidas adicionais de apoio ao setor hortofrutícola e dos pequenos frutos, em particular. Só desta forma, garantem, conseguirão “assegurar a atividade e o emprego”.

Entre as medidas complementares sugeridas, constam a eliminação por 6 meses da TSU ou o adiamento do pagamento de IRC para as empresas do setor. Mas, sobretudo, pedem que sejam implementados mecanismos de retirada de produto do mercado, “de forma a adequar e a regular a oferta à procura – uma possibilidade que a regulamentação comunitária já contempla para outras frutas, como pera, melancia ou tomate, mas que não está prevista para pequenos frutos (framboesas, morangos, amoras, mirtilos)”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Anterior Comunicação Secretário-Geral da CAP sobre a Campanha 2020 e as Candidaturas ao PU
Próximo Disponível Newsletter da CAP Frutos & Hortícolas

Artigos relacionados

Últimas

BEI financia investimentos de 463 mil milhões na UE. Portugal é um dos beneficiários

O Banco Europeu de Investimento (BEI) vai financiar com 84,6 mil milhões de euros investimentos na União Europeia (UE), que deverão mobilizar um total de 463 mil milhões, […]

Nacional

CAP na 39.ª Conferência de Agricultura União Europeia-América do Norte

A 39.ª edição da Conferência de Agricultura União Europeia – América do Norte, na qual a CAP — Confederação dos Agricultores de Portugal assegurou a representação da agricultura portuguesa, […]

Sugeridas

Governo abre mercado da Arábia Saudita à exportação de ovinos e caprinos

Os produtores nacionais de ovinos e caprinos podem, a partir de agora, exportar para a Arábia Saudita, um importante mercado com um potencial de cerca de 27 milhões de consumidores. […]