PCP agenda debate sobre políticas alternativas para “por Portugal a produzir”

PCP agenda debate sobre políticas alternativas para “por Portugal a produzir”

O PCP agendou para hoje um debate na Assembleia da República sobre uma “política alternativa” e de “resposta às necessidades do povo” e para “por Portugal a produzir”

“Queremos colocar neste debate as questões de por Portugal a produzir”, resume, em declarações à agência Lusa, a deputada Paula Santos, líder parlamentar em funções dos comunistas, tendo em conta três eixos: “soberania alimentar, produção e emprego”.

Para Paula Santos, é necessário “colocar as questões da política alternativa” para “responder a estes três eixos considerados “essenciais para o desenvolvimento do país” a soberania alimentar, a produção e a criação de emprego com direitos”.

O surto da covid-19, declarado em março e que paralisou parcialmente o país em abril, e a crise que se seguiu, “deixou também a descoberto um conjunto de problemas estruturais” em Portugal, e colocou “dificuldades acrescidas” na economia e nos “direitos e valorização dos rendimentos dos trabalhadores”.

“Vimos recentemente como é importante produzir os alimentos que consumimos porque numa situação mais dramática a dependência externa deixou-nos numa situação de facto de grande fragilidade”, afirmou.

Para a deputada comunista, é “com a valorização de quem trabalha” e dos “seus rendimentos” que é possível “progredir”, ao contrário do que aconteceu com o período da ‘troika’, com “cortes nos salários, a redução dos apoios sociais e todo o desinvestimento que foi feito” no país.

Sem a presença do Governo no hemiciclo — a sua presença é optativa — os deputados de todos os partidos vão discutir mais de duas horas num debate que será aberto por António Filipe e encerrado por Paula Santos.

De manhã, haverá duas ações de rua em Lisboa e Almada para “contacto com os trabalhadores”.

No terminal de transportes do Cais do Sodré, às 08:00, estará a deputada Alma Rivera e do outro lado do Rio Tejo, Paula Santos vai estar na estação de comboios do Praga às 07:00.

Na terça-feira, o secretário-geral do partido, Jerónimo de Sousa, visita uma cultura de trigo, no Cadaval, distrito de Lisboa para preparar o debate de hoje.

Se o país não produzir mais, e se não se confiar “na expansão do mercado interno, naturalmente as previsões” da Comissão Europeia como as de terça-feira, que apontam para uma contração de 9,8% do PIB, “até se podem agravar”, considerou Jerónimo de Sousa.

O líder comunista sublinhou que a crise provocada pela pandemia da covid-19 veio intensificar “a necessidade de rutura com esta política de dependência do exterior e de aumento da produção nacional”, como forma de valorizar a soberania nacional.

A estratégia passa por “procurar outros caminhos” além do turismo e “não apontar para este ou aquele setor”, disse.

Jerónimo de Sousa deu o exemplo da agricultura e, em concreto, da produção de trigo.

“Hoje só produzimos trigo para duas semanas num ano inteiro, o que demonstra a dependência do estrangeiro em relação a um bem essencial, no caso concreto o pão”, disse, sublinhando que existem “possibilidades imensas, capacidades de produzir cá o que nos obrigaram a comprar lá fora”, afirmou.

NS (FCC) // SF

O artigo foi publicado originalmente em Visão.

Comente este artigo
Anterior Fim dos apoios públicos à tauromaquia vai a votos na quinta-feira com chumbo programado
Próximo Investigadores portugueses tentam “criar” arroz com vitaminas do complexo B

Artigos relacionados

Últimas

Green Deal 2030 targets and agricultural production studies

Various studies, recently published, analysed possible effects of some elements of the Farm to Fork and Biodiversity Strategies on EU agriculture, including the […]

Comunicados

Concurso Europeu Árvore do Ano 2021 – Votações durante o mês de fevereiro

14 países competem pelo título de Árvore Europeia do Ano de 2021! […]

Nacional

The Navigator Company cria modelo de gestão de combustíveis baseado na silvo pastorícia para evitar incêndios

A The Navigator Company, em parceria com o Prof Mário de Carvalho do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (ICAAM) da Universidade
de Évora, […]