Parlamento Europeu quer alargar fundo que apoia desempregados

Parlamento Europeu quer alargar fundo que apoia desempregados

O Parlamento Europeu quer alargar o número de pessoas apoiadas no âmbito do fundo europeu de ajustamento à globalização, que ajuda quem perdeu o emprego por razões como o fecho de uma grande empresa ou a transferência da produção.

Em causa está o fundo de ajustamento à globalização, criado em 2007 e previsto até 2020 para dar assistência em processos de reestruturação dentro da União, que o Parlamento Europeu quer ativo após essa data e “mais acessível”, informa esta instituição em comunicado.

Por isso, além de querer mudar a designação, passando a chamar-se Fundo Europeu para a Transição, a assembleia europeia pretende alterar o “limiar inferior para o número de trabalhadores despedidos – 200 em vez dos 250 propostos pela Comissão Europeia e dos atuais 500 -”, bem como alargar “o período de referência durante o qual ocorreram os despedimentos, dos quatro a seis meses indicados pela Comissão para seis a nove meses”.

Para o período 2014-2020, este fundo de ajustamento dispõe de um orçamento máximo anual de 150 milhões de euros, podendo financiar até 60% do custo de projetos destinados a ajudar trabalhadores que perderam o emprego a encontrar trabalho ou a criar a sua própria empresa.

O mesmo acontecerá no pós-2020, período para o qual o investimento não é indicado.

Assim, “as contribuições financeiras […] deverão ser prioritariamente destinadas a medidas ativas do mercado de trabalho que visem reintegrar rapidamente os beneficiários num emprego sustentável e de qualidade num setor orientado para o futuro, seja dentro ou fora do seu setor original de atividade”.

“Deverão também promover a criação do próprio emprego e a criação de empresas, incluindo através do estabelecimento de cooperativas”, adianta a nota.

O Parlamento Europeu vinca ainda que este fundo “tem por objetivo específico prestar apoio em caso de processos de reestruturação importantes e imprevistos”, aplicando-se, desde logo, à saída do Reino Unido da União Europeia, o ‘Brexit’.

Aplica-se também a “desafios relacionados com a globalização, como as mudanças nos padrões do comércio mundial, os litígios comerciais, as crises económicas ou financeiras, […] a transição para uma economia hipocarbónica ou resultam da digitalização ou da automatização”.

“Especial atenção deve ser conferida a medidas que ajudem os grupos mais desfavorecidos”, adianta o Parlamento Europeu.

Depois da proposta hoje aprovada – com 570 votos a favor, 103 contra e 14 abstenções -, o assunto será apreciado pelo Conselho Europeu (governos nacionais) visando um acordo sobre a legislação final.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Lusoflora - 22 e 23 de fevereiro - Santarém
Próximo Tribunal francês proíbe comercialização de herbicida à base de glifosato

Artigos relacionados

Nacional

Incêndios: Risco máximo em oito distritos

O risco de incêndio é hoje máximo em quase todos os concelhos de oito distritos de Portugal continental, que está hoje e terça-feira em situação de alerta devido às condições meteorológicas favoráveis a fogos. […]

Últimas

Empresários de seis países da América Latina querem investir no agronegócio em Angola

Um conjunto de empresários de seis países da América Latina manifestou vontade em investir no setor agroindustrial em Angola, no quadro da criação, […]

Notícias mercados

Empresa de canábis mais valiosa do mundo produz em Portugal e já vê futuro de 100 mil milhões

A Tilray, empresa do sector de canábis cujo valor duplicou desde o início deste mês, está apenas a apenas a dar os primeiros passos no mercado de acções, […]