PAN quer acabar com apoios públicos à produção de carne e leite

PAN quer acabar com apoios públicos à produção de carne e leite

[Fonte: O Jornal Económico]

O partido dirigido por André Silva quer que as empresas passem a apresentar soluções concretas para os desafios ambientais e contribuam para a redução da pegada ecológica.

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) tem previsto no programa eleitoral, apresentado esta sexta-feira, a proposta de acabar com os apoios do Estado à produção de carne e leite. O partido dirigido por André Silva quer que as empresas passem a apresentar soluções concretas para os desafios ambientais e contribuam para a redução da pegada ecológica.

No programa eleitoral, o PAN explica que, a produção pecuária tem impactos negativos consideráveis para o meio ambiente e explica que tal se deve, entre outras coisas, ao “consumo excessivo de água, contaminação dos recursos hídricos e emissão de gases com efeito de estufa, representando 83% das emissões no setor agrícola”.

Face a isso, o PAN quer cessar os apoios públicos à produção de carne e leite e criar linhas de apoio à inovação empresarial para a criação de novas empresas e novos produtos no setor agroalimentar, que apresentem “soluções para os desafios ambientais e contribuam para a redução da pegada ecológica”.

“É imprescindível que haja uma verdadeira transição da agricultura convencional para uma agricultura mais sustentável e biológica, reforçando o combate às alterações climáticas e aumentando a proteção do ambiente e da biodiversidade”, defende o PAN.

O partido quer ainda assegurar que os apoios às medidas agroambientais do Programa de Desenvolvimento Rural não financiam a agricultura convencional e quer que seja adotadas medidas que reduzam o desperdício alimentar na produção e apoiem a agricultura familiar.

“O atual modelo de produção agrícola assenta em métodos de cultivo intensivos dependente de fertilizantes, fitofarmacêuticos e de quantidades de água insustentáveis, com enormes impactos negativos no ambiente e na saúde humana”, sustenta, acrescentando que o cultivos intensivos têm “demonstrando uma diminuição da resiliência das culturas a infestações e uma menor capacidade de adaptação às alterações climáticas, comprometendo assim a nossa soberania alimentar”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior Práticas abusivas no comércio vão ser penalizadas
Próximo EFSA conducts research gap analysis on ASF

Artigos relacionados

Últimas

Los eurodiputados agrícolas dan su visto bueno a Wojciechowski como futuro comisario de Agricultura

Janusz Wojciechowski
Janusz Wojciechowski ha recibido el respaldo de la Comisión de Agricultura del Parlamento Europeo (Comagri) para ser el próximo comisario de Agricultura de la UE. […]

Últimas

Atrasos na execução dos fundos aumentam risco sobre orçamento europeu, alerta Tribunal de Contas Europeu

As autorizações orçamentais por liquidar, na União Europeia (UE), atingiram um novo recorde de 267,3 mil milhões de euros, em 2017. […]

Nacional

Efacec vai reforçar capacidade de barragem em Lamego

[Fonte: O Jornal Económico]

A Efacec foi escolhida pela Águas do Norte para a instalação de comportas no descarregador de cheias da barragem de Pretarouca, […]