Oportunidades e desafios da reutilização de água no regadio

Oportunidades e desafios da reutilização de água no regadio

Com início às 10 horas, no dia 18 vai ter lugar uma Sessão de Divulgação -Reutilização de Água no Regadio no Parque Científico e Tecnológico de Évora. Este evento está enquadrado no projeto REUSE e tem por objetivo sensibilizar para a utilização de Água para Reutilização (ApR) na atividade de regadio na região do Alentejo.

O REUSE é um projeto financiado pelo Fundo Ambiental e desenvolvido em parceria entre a Águas de Portugal, AgdA – Águas Públicas do Alentejo, EDIA, Instituto Superior de Agronomia, EFACEC e Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR). Um dos pilotos de demonstração deste projeto decorre na ETAR de Beja onde foi instalado um sistema de produção de água para agricultura tendo como fonte as águas residuais tratadas nesta ETAR. Este piloto utiliza tecnologias de tratamento de reduzido custo operacional (painéis concentradores da radiação solar para desinfeção da ApR por ação da radiação UV e ação térmica) destinando-se a água ao regadio de uma plantação de romãzeiras.

Nesta sessão, e para além do projeto REUSE, será apresentado o projeto internacional SuWaNu, onde se inclui Portugal, o qual está a estudar a situação atual da reutilização de águas residuais na rega no mediterrâneo. Os promotores portugueses são a FENAREG e a CONSULAI.

Serão ainda ouvidos os pontos de vista e experiência de reutilização de agricultores e a posição do Gabinete de Planeamento e Políticas do Ministério da Agricultura sobre estas matérias.

Com esta ação pretende-se discutir a problemática da reutilização de águas residuais para fins agrícolas, as oportunidades e os desafios dessa utilização, envolvendo todos os protagonistas.

Em Beja já está em regime de experimentação o sistema de produção de água para reutilização através da desinfeção solar das águas residuais tratadas na ETAR de Beja, para posterior utilização, por um agricultor da região, na rega de um pomar, tendo como objetivo, estudar o impacte das ApR nas plantas, solo e água.

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior How can the EU avoid actually importing deforestation?
Próximo Novos piripíris com azeite Oliveira da Serra

Artigos relacionados

Últimas

Agricultores reclamam mudanças nos seguros agrícolas

A Federação Agrícola dos Açores está preocupada com o funcionamento dos seguros agrícolas. […]

Últimas

Águas residuais tratadas são opção para a agricultura

O uso de águas residuais tratadas na agricultura é uma opção que reduz a pressão sobre os recursos hídricos superficiais e os aquíferos e que está […]

Últimas

PAN quer ouvir Ministra da Agricultura sobre transporte de animais vivos

O Grupo Parlamentar do PAN – Pessoas – Animais – Natureza deu entrada de um requerimento que a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, seja ouvida em audição no […]