ONU aconselha dieta vegetariana para combater alterações climáticas

ONU aconselha dieta vegetariana para combater alterações climáticas

Há tipos de alimentação que favorecem as alterações climáticas e outros que podem ajudar a reduzir as vulnerabilidades de tais mudanças, refere o relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), um organismo da ONU.

“Algumas escolhas dietéticas exigem mais terra e água e causam mais emissões de gases que prendem o calor”, afirma Debra Roberts, co-presidente do grupo de trabalho II do IPCC.

“Dietas equilibradas com alimentos à base de plantas – como grãos, leguminosas, frutas e vegetais – e alimentos de origem animal produzidos de forma sustentável em baixos sistemas de emissão de gases de efeito estufa apresentam grandes oportunidades para adaptação e limitação da mudança climática”, destaca.

De acordo com o relatório divulgado nesta quinta-feira, “uma ação coordenada para lidar com a mudança climática pode simultaneamente melhorar a terra, a segurança alimentar e a nutrição, ajudando também a acabar com a fome”.

“O Solo é parte da Solução para as Alterações Climáticas” é o título do relatório. “Mas não consegue fazer tudo sozinho”, sublinha.

As alterações climáticas “estão a afetar todos os quatro pilares da segurança alimentar: disponibilidade (produção e rendimento), acesso (preços e capacidade de obtenção de alimentos), utilização (nutrição e culinária) e estabilidade (interrupções na disponibilidade)”, indica o documento.

Nesse sentido, a “segurança alimentar será cada vez mais afetada através de quedas nos rendimentos, especialmente nos trópicos” e com “impactos mais drásticos nos países de baixo rendimento de África, Ásia, América Latina e Caribe”, avança Priyadarshi Shukla, co-presidente do grupo III do IPCC.

Segundo o relatório, “cerca de um terço dos alimentos produzidos é perdido ou desperdiçado”. As causas diferem consoante as regiões e países desenvolvidos ou em desenvolvimento.

“Reduzir essa perda e desperdício reduziria as emissões de gases de efeito estufa e melhoraria a segurança alimentar”, salienta o documento.

Terras degradadas e temperatura a subir

Um quarto das terras usadas para atividades humanas está degradado, afirmam os especialistas da ONU. A expansão da agricultura e da silvicultura é o que mais contribui para o aumento das emissões de C02, a perda de ecossistemas e a redução da biodiversidade.

Insistem também na ameaça colocada pela desertificação e a consequente necessidade de lutar contra o fenómeno.

O relatório, o segundo dos três pedidos ao IPCC após a assinatura do Acordo de Paris, que, em 2016, estabeleceu como meta manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC, servirá de base às futuras negociações dos estados signatários e deverá influenciar as discussões na cimeira anual sobre o clima, agendada para dezembro em Santiago do Chile.

Os especialistas concluíram que o aquecimento das superfícies emergentes está a aumentar a uma maior velocidade do que o aquecimento global, tendo progredido 1,53ºC e o documento prevê “riscos importantes” de falta de água nas zonas áridas, incêndios e instabilidade alimentar com um aquecimento global de 1,5ºC, passando a “muito importantes” se o aquecimento for de 2°C.

O texto contém recomendações para que os governos promovam políticas de mudança do uso florestal e agrícola dos solos, tendo em conta que as florestas absorvem cerca de um terço das emissões de dióxido de carbono (CO2).

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Há um projeto que quer aumentar o cultivo, diversidade e consumo de leguminosas na Europa
Próximo Ofertas de emprego - Eng. Alimentar, Ambiente, Gestão Industrial e Biotecnologia - Azambuja, Viseu e Marinha das Ondas

Artigos relacionados

Ofertas

Oferta de emprego – Técnico Agrícola – Agrónomo – Odemira

Oferta de emprego – Técnico Agrícola – Agrónomo – Odemira […]

Nacional

Comissão alarga apoios públicos a seguros de créditos para exportação

A Comissão Europeia decidiu permitir que os exportadores europeus possam ter garantias públicas a cobrir os riscos de crédito à exportação para mercados onde se verifiquem restrições devido […]

Últimas

Prazo para candidaturas dos agricultores ao Pedido Único alargado até 06 de Maio


O prazo para a entrega de candidaturas ao Pedido Único (PU) de ajudas 2019 foi prorrogado até 06 de Maio, […]