Oliveira do Hospital instala 200 armadilhas contra a vespa asiática

Oliveira do Hospital instala 200 armadilhas contra a vespa asiática

A Câmara de Oliveira do Hospital distribuiu 200 armadilhas contra a vespa asiática pelo território do concelho e pelos 48 apicultores ali registados, informou hoje a autarquia.

O município de Oliveira do Hospital, no interior do distrito de Coimbra, deu, assim, início à terceira fase da luta contra a vespa velutina, também identificada por vespa asiática, colocando as armadilhas em “locais estratégicos por todo o concelho”.

As armadilhas contêm uma solução que “atrai esta espécie invasora [vespa asiática]”, sem prejudicar os “restantes insetos”, refere o município numa nota divulgada no seu ‘site’.

Cabe aos serviços da Proteção Civil do Município de Oliveira do Hospital averiguar a eficácia destas armadilhas, “efetuar a contagem de insetos capturados e repor a solução atrativa”.

“É mais um passo para a captura de vespas fundadoras impedindo desta forma a formação de novos ninhos no concelho, continuando a ser um forte contributo para preservar a biodiversidade e polinização das culturas por parte das abelhas, já que para além de fazerem o mel são responsáveis pela polinização de mais de 60% das espécies da flora existente”, assinala a vereadora das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Teresa Dias.

O município de Oliveira do Hospital “ciente do investimento em ações de combate” à vespa asiática apela para que as armadilhas colocadas não sejam vandalizadas nem retiradas dos respetivos locais.

No ano de 2020, foram destruídos 311 ninhos da invasora vespa velutina, bem como dois ninhos da “vespa comum”, quatro ninhos de “vespa germânica” e ainda 50 de “vespa crabro”.

Comente este artigo
Anterior Boticas exalta os três anos de classificação do Barroso como Património Agrícola Mundial
Próximo Governo apela ao envolvimento das pessoas na revitalização do Pinhal Interior

Artigos relacionados

Ofertas

Oferta de emprego – Engenheiro Zootécnico – Santarém

A empresa MANUEL QUERIDO, LDA está a recrutar: […]

Últimas

Alho – Cânfora dos pobres – Bruno Estêvão

As origens do alho remontam a cerca de 6.000 anos. Há imprecisão e controvérsia na definição da sua origem, que pode ter sido a Europa mediterrânea ou o continente asiático. […]

Sugeridas

Reação da CAP ao comunicado conjunto de seis ONG’s sobre medidas tomadas pelo Ministério da Agricultura

Seis organizações não governamentais contestaram ontem, através de um comunicado conjunto, a decisão do Governo de flexibilizar medidas na […]