OGM | Relatório conclui que milho transgénico não causa efeitos adversos

OGM | Relatório conclui que milho transgénico não causa efeitos adversos

Para além de concluir que a produção de milho Bt (geneticamente modificado para resistir ao ataque da lagarta) não revelou qualquer efeito adverso, o relatório afirma também que a sua utilização diminuiu significativamente a necessidade de usar inseticidas e aumentou a produção. O documento inclui também uma revisão exaustiva sobre segurança alimentar e ambiental.

Para a elaboração do relatório “Resultados de dez anos de monitorização ambiental pós-comercialização de milho geneticamente modificado MON 810 na União Europeia”, publicado na revista PLOS ONE, foram recolhidos dados junto de 2.627 agricultores de Portugal, Espanha, França, Alemanha, Eslováquia, Roménia e República Checa.

O documento, que analisa exaustivamente os efeitos ambientais do cultivo de milho transgénico MON 810 durante um período de dez anos, inclui os resultados obtidos com a realização de questionários a agricultores que produziram esta variedade entre 2006 e 2015, bem como um levantamento completo de estudos científicos sobre o assunto.

Com este relatório, os autores pretendiam aferir se são corretas as premissas na avaliação dos riscos ambientais sobre o aparecimento e impacto de possíveis efeitos adversos do cultivo do milho Bt e identificar qualquer efeito negativo da sua utilização na saúde humana, animal ou ambiental que não havia sido previamente previsto.

Estes resultados estão em concordância com a avaliação da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), que em resposta ao pedido de renovação desta variedade de milho em 2007: “… MON 810 é tão seguro como a variedade convencional quanto aos possíveis efeitos na saúde humana e animal. O Painel da EFSA sobre Organismos Geneticamente Modificados também conclui que é improvável que o milho MON 810 tenha algum efeito adverso sobre o meio ambiente no contexto dos usos previstos …”

Os resultados do estudo publicado na PLOS ONE são também consistentes com o histórico de 17 anos (2003-2019) de utilização segura do MON 810 na União Europeia.

Leia o estudo completo aqui.  

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior Agricultores lesados pelo incêndio de Aljezur podem comunicar prejuízos
Próximo Saiba quando se podem fazer queimas e queimadas em 2020

Artigos relacionados

Últimas

PAN pede debate de urgência na quinta-feira sobre situação em Odemira

O PAN requereu hoje o agendamento para quinta-feira de um debate de urgência na Assembleia da República sobre “rede de tráfico de pessoas, escravatura laboral” e as más condições de […]

Nacional

Área Integrada de Gestão de Paisagem com mais de mil hectares criada em Alvares

Os condomínios de aldeia foram o “embrião” para as áreas Integradas de gestão de paisagem. A que acaba de ser criada no concelho de Góis, envolve proprietários, produtores, a autarquia, a indústria […]

Cotações PT

Cotações – Frutos Frescos e Secos – 31 de maio a 6 de junho 2021

Abacate – No Algarve, a oferta de abacate “Reed” e “Tipo Hass” foi baixa e suficiente para a procura. Produto com boa qualidade e boa apresentação. Escoamento pontual. […]