O Operation Pollinator ajuda-nos a promover a biodiversidade nos olivais da Elaia

O Operation Pollinator ajuda-nos a promover a biodiversidade nos olivais da Elaia

A coexistência da agricultura moderna com a promoção da biodiversidade é possível. A Elaia, um dos maiores produtores mundiais de azeite, dá o exemplo, gerindo de forma ativa áreas dedicadas à conservação da natureza nos seus olivais no Alentejo, onde instalou recentemente margens multifuncionais Operation Pollinator.

Detalhe das espécies de plantas semeadas na margem multifuncional
Detalhe das espécies de plantas semeadas na margem multifuncional

Nas vastas planícies alentejanas cobertas pelo manto verde dos olivais há pequenos santuários de biodiversidade que servem de refúgio à fauna local. Quem passe junto ao icónico Lagar do Marmelo, em Ferreira do Alentejo, será surpreendido pelo doce zumbido de abelhas, moscas das flores e besouros, numa faixa de plantas floridas instalada à entrada da herdade.

A Elaia, proprietária de 9.500 hectares de olival no Alentejo, tem em curso diversos projetos de conservação da natureza, o mais recente dos quais o Operation Pollinator. Este programa internacional da Syngenta visa atrair insetos polinizadores e outra fauna auxiliar benéfica aos campos agrícolas, através da instalação de margens multifuncionais semeadas com plantas floridas.

A diversidade e abundância de espécies e insetos observados, atesta o efeito que estas pequenas zonas de conservação têm na promoção da biodiversidade local

«As margens foram instaladas no meio do olival. A diversidade e abundância de espécies e insetos observados na zona da margem funcional, que mimetiza a diversidade que encontramos nas zonas de montado, atesta o efeito que estas zonas de conservação têm na promoção da biodiversidade local», afirma Isabel Ribeiro, responsável de Desenvolvimento de Negócio da Elaia.

A comunidade de polinizadores encontrada na Elaia foi bastante diversa, sendo constituída principalmente por Diptera (moscas), 50,5% dos polinizadores capturados, Hymenoptera (abelhas e vespas), 27,7% dos capturados, e Coleoptera (besouros), 21,8% dos capturadosNum total de 500 indivíduos de 46 famílias diferentes.

Os Hymenoptera, com especial enfase nas abelhas, curiosamente apresentaram uma diversidade e abundância na zona de olival

Ricardo Costa, um dos entomólogos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCT-UL) que fez o levantamento de insetos antes da instalação da margem multifuncional na Herdade do Marmelo, explica que «os Hymenoptera, com especial enfase nas abelhas, curiosamente apresentaram uma diversidade e abundância na zona de olival que foi muito superior ao esperado, 6 géneros de 3 famílias diferentes, num total de 42 abelhas capturadas. Isto deverá estar relacionado, entre outros fatores, com o facto de a zona que amostrámos manter as plantas herbáceas entre as linhas das oliveiras».

Os cientistas estimam para os próximos anos um aumento significativo de insetos polinizadores no local, com especial enfase na diversidade de abelhas e moscas das flores, pois as plantas da margem Operation Pollinator providenciam abrigo e locais de reprodução que muitos destes polinizadores aproveitam, além de diversidade de alimento (pólen e néctar), pelo número de flores diferentes presentes.

O Operation Pollinator complementa perfeitamente a nossa atividade e ajuda-nos a promover a biodiversidade local.

Apesar de a oliveira ser maioritariamente polinizada pelo vento e não por os insetos, estes prestam serviços ecológicos muito importantes: favorecem o fluxo de genes pelas populações de várias plantas herbáceas, ajudando a mantê-las viáveis, e estas por sua vez servem de habitat a uma grande comunidade de pequenos organismos. Além disso, alguns destes polinizadores são predadores e parasitas de outros insetos, que poderão constituir uma praga para a cultura da oliveira.

«O Operation Pollinator complementa perfeitamente a nossa atividade e ajuda-nos a promover a biodiversidade local. No futuro será excelente para demonstrar aos visitantes das nossas herdades e do lagar a perfeita coexistência da agricultura moderna com a promoção da biodiversidade», reconhece Isabel Ribeiro.

A existência de áreas destinadas à manutenção de comunidades de insetos integradas no meio das culturas agrícolas é de especial relevâancia, especialmente tendo em conta a crise de biodiversidade que vivemos», Ricardo Costa, entomólogo da FCT-UL.

Espécies de insetos polinizadores encontrados nos olivais da Elaia (besouro, mosca-das-flores, abelha, borboleta)

O artigo foi publicado originalmente em Alimentar com inovação.

Comente este artigo
Anterior Oferta de emprego - Técnico Comercial - Engenheiro Agrónomo - Torres Vedras
Próximo Syngenta Group lança novo plano de compromissos “The Good Growth Plan”

Artigos relacionados

Eventos

Seminário: Brexit – Oportunidades e Desafios para o Setor Agrícola – 29 de outubro – Lisboa

Para esclarecer as empresas do setor agrícola sobre o BREXIT, a Confederação dos Agricultores de Portugal […]

Notícias PAC pós 2020

Los ingenieros forestales piden cambiar las ayudas de la PAC para lograr una mayor prevención en los incendios

El Colegio Oficial de Ingenieros Forestales y Graduados en Ingeniería Forestal de León ha demandado potenciar la ordenación del territorio y su gestión forestal y el cambio de la arquitectura de las ayudas agrarias PAC como principal herramienta de prevención de incendios. […]

Últimas

Como vai ser a alimentação do futuro?

O IPAM convidou especialistas nacionais para identificarem as tendências que vão marcar o mercado agroalimentar português em 2027. Rui Rosa Dias, […]