“Não consigo ter um bombeiro atrás de cada português”. Secretária de estado apela a que não se use fogo nos espaços florestais

“Não consigo ter um bombeiro atrás de cada português”. Secretária de estado apela a que não se use fogo nos espaços florestais

A Secretária da Administração Interna lembra que a maior parte dos fogos florestais nasceram de comportamentos negligentes e apela a todos para adequarem o seu comportamento às circunstâncias.

A Secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, lembrou esta segunda-feira que pode ter o melhor dispositivo de combate aos fogos, mas que não consegue “ter um bombeiro atrás de cada português”. Por isso, apela a todos que adaptem o seu comportamento às condições meteorológicas e ao espaço que não façam fogo junto aos espaços florestais.

O apelo foi feito esta tarde durante a conferência de imprensa sobre o fogo que lavra há 48 horas em Oleiros, o maior incêndio deste que Patrícia Gaspar chegou ao Governo. Ela que em 2017, por altura dos grandes incêndios, era Adjunta de Operações no Comando Nacional de Operações de Socorro.

A governante lamentou a morte do bombeiro Diogo Dias, que perdeu a vida num acidente do carro de serviço a caminho do combte ao fogo, logo no primeiro dia do fogo. Ainda assim, salientou, os restantes meios no local — que chegaram a ser 800 — mantiveram-se no combate. “E foi a melhor honra que puderam prestar ao seu camarada foi terem-se mantido firmes e convictos da missão que desempenharam cabalmente ate ao fim”, afirmou.

Patrícia Gaspar lembrou que ao longo do fim de semana, todas as avaliações de risco que foram sendo feitas ao avançar do fogo e todas as mensagens da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil foram mostrando que estavam perante um “potencial um enorme de um incêndio de grandes dimensões de uma enorme complexidade”. Até agora já consumiu 6 mil hectares.

“Podemos ter o melhor dispositivo deste mundo, mas eu não consigo ter um bombeiro atrás de cada português”, disse.

A governante aproveitou para lembrar que grande parte das ocorrências “eram todas elas evitáveis”, por isso apelou a todos que adequem o seu comportamento “à época do ano em que estão e ao espaço geográfico em que se encontram”. “Não é tolerável o uso do fogo junto dos espaços florestais”, lembrou.

Também o comandante Pedro Nunes alertou para o facto de não deverem ser feitas queimadas ou usado determinado material agrícola, como as moto serras, os tratores agrícolas com grades, exemplificou. “Não é tolerável termos focos de incêndios provocados pela negligência do comportamento humano”, explicou, lembrando que qualquer ignição pode ter graves consequências.

O fogo que deflagrou sábado em Oleiros, e onde um bombeiro perdeu a vida, ficou dominado esta manhã de segunda-feira. Ainda assim “não baixámos a guarda”, avisou. Apesar de haver uma redução dos 800 efetivos no local, há ainda uma zona nos concelhos de Oleiros e Proença a Nova que preocupa os bombeiros. Aliás, se o fogo reativar poderá por mesmo algumas aldeias em perigo: são elas Vale da Cuba, Ribeiro da Isna, Isna, Corgas e Pedintal, alertou a Proteção Civil.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior Concurso de Azeite Virgem de Trás-os-Montes e Alto Douro: Divulgação de Resultados
Próximo Fogo em Oleiros tinha potencial de atingir mais de 20 mil hectares

Artigos relacionados

Dossiers

Programa Simplex+ 2019 cria “Balcão Único da Vinha”

A Comissão de Modernização Administrativa anunciou que o Programa Simplex+ 2019 irá contemplar a criação de uma medida para o sector agrícola, […]

Últimas

Estatuto da Agricultura Familiar recebe 217 candidaturas até dezembro

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, disse hoje, no parlamento, que até dezembro de 2019 foram submetidas […]

Últimas

COVID-19: ADP Fertilizantes continuará a apoiar o setor Agroalimentar

No contexto da complexidade da situação provocada pela COVID-19, a ADP Fertilizantes solidariza-se com todos os profissionais da agricultura na […]