Leite: sem justiça não haverá paz nem futuro!

Leite: sem justiça não haverá paz nem futuro!

[Fonte: Jornal de Notícias]
“Preço justo para a produção de leite” é um grito que repetimos há 10 anos. Não queremos subsídios, queremos um preço capaz de cobrir os custos de produção, pagar o trabalho e o investimento. Para isso surgiu na Europa o “Leite justo”.
A 23 de novembro, no Colóquio Nacional do Leite, organizado pela APROLEP e AJADP em Vila do Conde, o presidente da EMB, Associação Europeia de Produtores de Leite, Erwin Shopges, estará connosco a partilhar a sua experiência nesta matéria.
O preço justo para o leite não devia ser novidade, devia ser a normalidade! Mesmo em Espanha há várias cooperativas a pagar acima de 35 cêntimos / litro, o que não sendo ideal é muito melhor que o preço médio em Portugal, que em agosto foi de 29,79 cêntimos.
Estes preços baixos são uma vergonha inaceitável quando a maioria do leite é recolhido e transformado pela Lactogal, uma empresa que pertence às cooperativas, portanto pertence aos produtores. Em agosto, a Lactogal baixou 1 cêntimo por litro. Na sua recolha anual, 1 cêntimo representa um lucro de 9 milhões de euros. No preço, esse cêntimo chegaria de forma justa e imediata a todos os produtores. Nos resultados, se forem distribuídos, no ano seguinte, dará 3 milhões a cada associada que detém 33,3% do capital, mas… como a Agros entrega mais de 60% do leite e Proleite e Lacticoop cerca de 20% cada, um produtor Agros terá direito a 0,006 € / litro e os das outras associadas três vezes mais, cerca de 0,018 € / litro. Isto não é justo e esta assimetria financeira é uma das causas do preço baixo do leite em Portugal, porque há sempre interesse no máximo de resultados para receber dividendos.
Em 2017, a Lactogal não teve 9 milhões de lucro, teve 44, quase cinco vezes mais, e desses, pouco chegou aos produtores, mesmo aos produtores das associadas com mais capital que produção. A moda de pagar pouco e dar migalhas de dividendos no ano seguinte, sob a forma de nota de crédito para comprar fatores de produção, não é justa! Justo é pagar logo, no mês seguinte, a todos os produtores, o melhor preço possível. Enquanto não houver justiça não haverá paz na produção de leite, confiança nos dirigentes, esperança no futuro. Haverá revolta, pode até haver paz podre por desistência dos revoltados, amordaçados por dívidas ou afastados por manobras que mantêm alguns eternamente no poder mas que irão de vitória em vitória até à derrota final da produção, como o Titanic com a sua orquestra a tocar até afundar.
*PRODUTOR DE LEITE E VICE-PRESIDENTE DA APROLEP
Carlos Neves
27 Outubro 2018

Comente este artigo
Anterior “Loures Inova” lança acelerador de negócios
Próximo Nova data limite para candidaturas a Prémio Floresta e Sustentabilidade

Artigos relacionados

Eventos

Seminário Parceria portuguesa para o Solo “Linhas Orientadoras para a Gestão Sustentável do Solo” – 20 de Novembro 2017 – Oeiras

A Parceria Portuguesa para o Solo (PPS) e a Sociedade Portuguesa da Ciência do Solo (SPCS) tomam a iniciativa de realizar no dia 20 de Novembro próximo o Seminário “Gestão Sustentável do Solo em Portugal – Linhas de Orientação”, no Auditório do Centro de Atualização Propedêutica (CAP) do INIAV, […]

Últimas

A Rizosfera e a sua importância na nutrição e proteção das plantas

[Fonte: Voz do Campo]
Em resultado numa parceria entre a Universidade do Algarve e a Hubel Verde, o “Seminário de Hortofruticultura” realiza-se na próxima 5ª feira (dia 14), a partir das 14h no Auditório Verde (edifício 8) da Universidade do Algarve.
A iniciativa, […]

Sugeridas

Governo quer políticas ativas para reduzir o desperdício alimentar

O Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, defendeu a necessidade de políticas ativas que promovam uma redução significativa do desperdício alimentar e afirmou que o Governo tem dedicado, desde a tomada de posse, uma especial atenção a esta questão.
Intervindo na cerimónia de Assinatura dos Contratos de Financiamento de Projetos de Economia Circular, […]