Leguminosas: Cientistas debatem soluções multidisciplinares para a sustentabilidade

Leguminosas: Cientistas debatem soluções multidisciplinares para a sustentabilidade

Leguminosas: Cientistas debatem soluções multidisciplinares para a sustentabilidade

Os conhecimentos e tecnologias desenvolvidos para as leguminosas estão a ser debatidos, em Portugal, na Segunda Conferência da Sociedade Internacional das Leguminosas (ILS2) que reúne, num único evento, mais de 360 especialistas, oriundos de cerca de 40 países, de todas as áreas de investigação relacionadas com a temática. A conferência é organizada pela Sociedade Internacional de Leguminosas (ILS) e pelo Instituto de Tecnologia Química e Biológica (ITQB NOVA) e decorre até 14 de Outubro de 2016, em Tróia.

Diego Rubiales, presidente do ILS,  realça que “a FAO, ao instituir 2016 como o Ano Internacional das Leguminosas de Grão, reconhece que as leguminosas são importantes para a saúde e para a sustentabilidade, mas o seu consumo ao nível global está a diminuir. Por isso, há que fomentar o aumento do seu uso na alimentação e, para que tal aconteça, é preciso cultivar mais. O grande desafio é fazê-lo de forma mais rentável para os agricultores, sem ser necessário recorrer à importação”.

“Juntamo-nos e atuamos concertadamente para tentar resolver o problema da redução de produção de leguminosas. As soluções terão de ser multidisciplinares”, explica.

Ao ser questionado sobre as contribuições que o evento pode trazer para a economia e para a vida das pessoas, Diego Rubiales diz: “Em Portugal e Espanha consomem-se muitas leguminosas, mas o seu cultivo é reduzido, enquanto no Canadá e na Austrália é o oposto. Estes países não consomem leguminosas, mas são líderes no seu cultivo e exportação. Ou seja, temos o exemplo de como as leguminosas podem ser uma história de sucesso para a agricultura, o que pode ser seguido pelos países que não produzem de forma rentável estas culturas.”

O Presidente da Comissão Organizadora da conferência e director do Laboratório de Biotecnologia de Células Vegetais do ITQB NOVA, Pedro Fevereiro, refere que “no ano em que a FAO destaca o tema das plantas leguminosas, uma das ideias associadas à realização deste evento em Portugal foi chamar a atenção para a importância das leguminosas para um país mediterrânico com as nossas características”. Pedro Fevereiro explica ainda que “se, por um lado, as leguminosas são tradicionalmente utilizadas na nossa alimentação, por outro lado, dadas as condicionantes agrícolas do nosso país, temos dificuldades na produção de leguminosas de uma forma sustentada, sobretudo do ponto de vista económico”.

As plantas leguminosas são plantas produtoras de proteína vegetal e têm uma vantagem importante porque fixam azoto atmosférico.Quando terminam o seu ciclo de vida este azoto pode ser incorporado no solo. Desta forma, enriquecem-no com este nutriente, diminuindo a necessidade da sua adição pelos agricultores na cultura seguinte (por exemplo, cereais). Pedro Fevereiro destaca ainda que “por estes motivos, é de grande importância que Portugal invista na criação de conhecimento que permita o desenvolvimento de variedades de leguminosas adequadas à produção no nosso clima”.

Esta manhã, na sessão de abertura da conferência ILS2, o Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Dr. Luís Medeiros Vieira, em representação do Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, declarou estar “certo que as conclusões da conferência vão contribuir para que os resultados dos programas de investigação se traduzam, por via da transferência de conhecimento, para os operadores a inovação dos sistemas de agricultura,  tornando-os mais eficientes e mais sustentáveis”.

Alguns exemplos de plantas leguminosas incluem o feijão, as ervilhas, as lentilhas, o grão-de-bico e a soja. Alimentos, rações, fibras têxteis e combustíveis são alguns dos produtos que podem ter origem nas plantas leguminosas. A sua procura está a aumentar, pois as necessidades de proteína vegetal são cada cada vez maiores e também porque é necessário uso de leguminosas n implementação das melhores práticas agrícolas mais adaptáveis às alterações das condições ambientais e que, em simultâneo, promovam uma agricultura mais sustentável, segurança alimentar e alimentação saudável.  

 

Link para VÍDEO | Sessão de Abertura do ILS2 com a presença do Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação

Alta Resolução: https://mab.to/lDhFRzCjb

No You Tube do ILS: https://youtu.be/pUENPUu5Utw

 

Texto em Inglês do discurso do Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação na Sessão de Abertura do ILS2

PDF: http://bit.do/cGPce

  

Mais informações

Website do ILS2 – www.itqb.unl.pt/ils2

Website de Diego Rubiales: http://bit.do/Diego-Rubiales

Website de Pedro Fevereiro: http://www.itqb.unl.pt/~BCV/pedro.htm

Programa final do ILS2 e livro de abstracts – www.itqb.unl.pt/ils2

Facebook do ILS2 – https://www.facebook.com/2ndILSC.2016

Twitter do ILS2 – https://twitter.com/ils2_2016

Ano Internacional das Leguminosas – FAO Portugal – http://www.fao.org/portugal/ano-internacional-leguminosas

 

Gabinete de Imprensa | Press Office

ILS2 | Second International Legume Society Conference

Rita Caré | +351 913159291

E-mail: ilsc2.pressoffice@itqb.unl.pt

 

Comente este artigo
Anterior Agroalimentar nos países da CPLP discute-se na próxima semana
Próximo The Global Food Forum: Defining the future of our agriculture

Artigos relacionados

Comunicados

The EU recognises the role of EU-sourced biofuels in the future renewable energy mix, but…

[Fonte: Farm Europe]
Posted on 14/06/201814/06/2018

Farm Europe’s Green Energy Platform welcomes the decision of the European Parliament and European Council to reject the Commission’s proposal to phase out all 1st generation biofuels. […]

Comunicados

Syngenta reforça portfólio de soluções Pós-Colheita

A Syngenta está a realizar um investimento importante no reforço do seu portfólio com novas soluções fungicidas para controlo das doenças de conservação em fruta e legumes.
 Maria do Carmo Pereira, responsável de fungicidas da Syngenta para a Península Ibérica, […]

Comunicados

Plano de Desenvolvimento do Setor Agroalimentar do Baixo Tâmega – Food Cluster Revolution

AEA promoveu ciclo de workshops “Produtos do Baixo Tâmega”
Setor da padaria e doçaria, gastronomia e vinho

Foi nos dias 19 e 20 de junho, que decorreu o primeiro ciclo de workshops dedicado aos produtos icónicos da região do Baixo Tâmega e que contou com o testemunho dos próprios empresários da região. […]