Legalização de terras e produção de viveiros travam fomento do café em Angola – Associação

Legalização de terras e produção de viveiros travam fomento do café em Angola – Associação

O presidente da Associação Nacional do Café, Cacau e Palmar de Angola disse hoje que “existe uma incógnita” quando ao aumento da produção, considerando a legalização de terras e a produção de viveiros como as “principais barreiras”.

João Ferreira, que falava hoje em Luanda, considerou que o principal ponto dos operadores do ramo é o “fomento da produção do café que passa obrigatoriamente pela reorganização do setor cafeícola e concretamente a produção de viveiros”.

“Se não pudermos produzir mudas ou viveiros não podemos falar em produção do café, por isso é que ainda hoje estamos a dar passos muito lentos por causa disso, portanto não há uma definição concreta de que é necessário produzir”, afirmou o responsável.

O responsável, que falava hoje no final da conferência de imprensa de apresentação do II Congresso da Produção e do Setor Privado, defendeu também a “reestruturação do Instituto do Café de Angola (ICA) que está completamente inoperante”.

O ICA “tem muitas dificuldades de quadros, há 10 anos que não renova os seus quadros, falo isso porque sou quadro do café desde 1966 e tenho alguma propriedade para falar sobre isso”, notou o empresário João Ferreira.

Angola, que já foi o terceiro maior produtor mundial do café e que já produziu 240 mil toneladas de café/ano, exporta atualmente em média cerca de 1.100 toneladas de café/ano.

“É uma gota no oceano em relação ao que o país deve e pode produzir”, lamentou o líder associativo, apontando igualmente a legalização de terras para os operadores como “um problema muito sério”.

João Ferreira fala mesmo em “questões desencontradas” entre a pretensão do Ministério da Economia e Planeamento em criar condições para legalizar as terras dos produtores a nível local e a “lentidão dos governos provinciais” nos processos.

“Infelizmente, há essa lentidão da parte dos governos provinciais, temos vários exemplos pelo país e este é um dos maiores problemas”, assinalou.

O dirigente criticou as taxas de produção elevadas, “porque há muitas fazendas abandonadas”.

Um quilograma de café comercial em Angola custa 350 kwanzas (0,4 euros), segundo o responsável.

O II Congresso da Produção e do Setor Privado, agendado entre 04 e 06 de novembro próximo, em Luanda, é uma promoção da Confederação Empresarial de Angola (CEA) à qual a Associação Nacional do Café, Cacau e Palmar de Angola é afiliada.

O certame prevê também, como atividades complementares e preparatórias, um “Encontro Nacional dos Cafeicultores de Angola”.

Comente este artigo
Anterior IFAP: PU2021 - Perguntas Frequentes - Agricultura Biológica
Próximo Antigos alunos do ISA promovem estágios de verão para futuros engenheiros, arquitetos e biólogos

Artigos relacionados

Nacional

Realidade em Odemira “não é nova” mas surgiu “urgência” da pandemia – Costa

O primeiro-ministro reconheceu hoje que a realidade dos trabalhadores agrícolas em Odemira (Beja) “não é nova” e que havia trabalho feito na área da habitação, mas a pandemia de […]

Dossiers

Incêndios: Norte com programas de reordenamento e gestão de paisagem para prevenir fogos

Nove concelhos da região Norte serão abrangidos por programas de intervenção na paisagem para gerar valor e proteger áreas vulneráveis de grandes incêndios, cujo montante do investimento […]

Últimas

Governo marca ​Conselho de Ministros dedicado ao Ambiente

O secretário de Estado da Energia, João Galamba, anunciou esta quinta-feira que o Conselho de Ministros de dia 06 de junho será […]