Laranjas do Algarve ‘falam’ alemão. Lidl começa a exportar para este mercado

Laranjas do Algarve ‘falam’ alemão. Lidl começa a exportar para este mercado

Nos últimos 5 anos, o Lidl comprou 41,5 mil toneladas de citrinos certificados IGP, sendo um dos principais compradores deste tipo de produto.

As laranjas e citrinos do Algarve são a nova exportação do Lidl Portugal para as lojas da cadeia na Alemanha, adiantou Pierre Silva, diretor de Frutas & Legumes do Lidl Portugal, ao Dinheiro Vivo. Desde ontem que há citrinos algarvios a ‘falar’ alemão nas lojas do retalhista alimentar.

A entrada dos citrinos algarvios na rota de exportação da cadeia alimentar há muito vinha a ser estudada. Na edição do ano passado da Fruit Logistica, a maior feira de fruta e legumes em Berlim, o Lidl admitia mesmo que estava a analisar introduzir quatro novos produtos hortofrutícolas no lote dos comprados aos produtores nacionais e enviados para as lojas da cadeia nos vários mercados onde está presente.

Atualmente, de Portugal seguem para o mercado externo frutos como pera-rocha, frutos vermelhos ou maçã de Alcobaça. Só em 2018, a cadeia colocou 15 mil toneladas de frutas e legumes nacionais (+13%) em supermercados Lidl na Alemanha, Áustria, Espanha, Irlanda, Luxemburgo, Reino Unido e Polónia.

Esta quarta-feira, em Berlim, o Lidl, um dos parceiros da Portugal Fresh na exportação, vai anunciar os valores de exportação de 2019. A Alemanha, onde a cadeia tem um parque a rondar as 3 mil lojas, é o principal mercado de exportação.

Nos últimos cinco anos, o Lidl comprou 41,5 mil toneladas de citrinos certificados IGP (indicação geográfica protegida), sendo um dos principais compradores deste tipo de produto na região.

“Neste momento trabalhamos o mercado nacional com a Cacial. É um parceiro muito importante não só na laranja mas também na clementina e no limão”, precisava Pierre Silva, diretor de compras de frutas e legumes do Lidl Portugal, em junho do ano passado ao Dinheiro Vivo.

É a região norte que mais consome os citrinos do Algarve, responsável pelo consumo de 35% das 41,5 mil toneladas de citrinos compradas à Cacial nos últimos cinco anos.

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior OLEIROS – Proprietários rendidos ao fogo controlado
Próximo CAP quer clarificar modelo de gestão do Alqueva

Artigos relacionados

Nacional

Conferência analisa estenfiliose ao detalhe – 28 de junho – Caldas da Rainha

Na estratégia de promover iniciativas direcionadas ao setor produtivo a organização da Feira Frutos realiza no dia 28 de junho, no Pequeno Auditório do Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, […]

Nacional

Fitossanidade: “Portugal tem dado passos muito tímidos”, avisa o reitor da UTAD

“É preciso dar voz às questões emergentes da sanidade vegetal”, que ainda não são “uma prioridade do país”. António Fontainhas Fernandes avisa que o tema deve ser enquadrado no conceito “one […]

Últimas

Portugal 2030 em consulta pública

Decorre até ao fim do mês de Novembro a consulta pública do Acordo de Parceria – Portugal 2030 que definirá as opções nacionais para os fundos comunitários […]