Investigadores de Aveiro desenvolvem ‘eco-cimento’ com desperdícios de celuloses

Investigadores de Aveiro desenvolvem ‘eco-cimento’ com desperdícios de celuloses

O Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica (DEMaC) da Universidade de Aveiro está a desenvolver “o cimento mais ecológico do mundo”, um eco-cimento que utiliza maioritariamente desperdícios das indústrias de celulose que de outra forma iriam para aterros.

De acordo com a Universidade de Aveiro, este ‘cimento verde’ reduz drasticamente o uso de recursos naturais virgens e pode ser produzido à temperatura ambiente, diminuindo consideravelmente o consumo de energia.

Manfredi Saeli, o investigador que a par de Rui Novais, Paula Seabra e João Labrincha desenvolveu o novo material, explica que “as nossas argamassas geopoliméricas são uma alternativa válida às produzidas com cimento Portland pois têm propriedades que as tornam adequadas para diversas aplicações na construção”.

“Os materiais produzidos são altamente sustentáveis, menos poluentes e a sua produção é rentável. Para além disso, os geopolímeros endurecem rapidamente, exibem uma matriz estável e uniforme, um desempenho mecânico adequado e uma excelente resistência a produtos químicos e ao envelhecimento. Tudo isso torna essa nova classe de cimentos uma alternativa ao cimento Portland válida e sustentável”, acrescenta.

Os investigadores acreditam que este material poderá ser usado como substituto dos cimentos tradicionais e com níveis de desempenho idênticos.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Quer plantar vinha? Candidaturas abrem a 1 de abril
Próximo FortugalFoods faz levantamento de empresas que possuam produtos com certificação biológica

Artigos relacionados

Comunicados

Ministra da Agricultura inaugurou nova sede da Leader Oeste, no Cadaval

Foi inaugurada, no passado dia 1 de outubro, pela ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, a nova sede da Leader Oeste – Associação para o Desenvolvimento e Promoção […]

Últimas

PAC tem apoiado projetos agrícolas que destroem habitats protegidos – Zero

A associação ZERO critica o apoio comunitário concedido a projetos agrícolas “que destruíram habitats protegidos” na área do Alqueva, esperando […]

Nacional

Governo estima haver entre 200 e 300 agricultores afectados pelos fogos em Mação e Vila de Rei

Agricultores podem candidatar-se a compensações a fundo perdido na ordem dos “100% [para prejuízos] até aos cinco mil euros, a 85% até aos 50 mil euros […]