Investigadores criam e testam tecnologia de deteção de incêndios a partir de aeronaves

Investigadores criam e testam tecnologia de deteção de incêndios a partir de aeronaves

Investigadores estão a desenvolver um projeto científico que consiste em identificar incêndios a partir de sensores e imagens recolhidas por câmaras de vídeo instaladas em aeronaves tripuladas ou não tripuladas

O projeto ‘Firefront’, hoje apresentado no Aeródromo de Santa Cruz, em Torres Vedras, no distrito de Lisboa, criou e está a testar câmaras de vídeo para recolha de imagens e sensores de deteção de fogos instalados em aeronaves.

O projeto de investigação pertence a um consórcio, que integra a Força Aérea Portuguesa, o Instituto de Sistema e Robótica do Instituto Superior Técnico (IST), o Instituto de Telecomunicações de Lisboa, o Aeroclube de Torres Vedras, o centro de investigação de fogos ADAI e a empresa privada Uavision.

Alexandre Bernardino, investigador do IST e coordenador do projeto, explicou, na sua apresentação, que um sistema composto por câmaras de vídeo e sensores instalado em aeronaves tripuladas ou não tripuladas está a ser testado na identificação e monitorização de fogos.

A tecnologia permite enviar dados e imagens em tempo real para os agentes da Proteção Civil e prever a propagação das frentes de incêndio, em função do relevo e da biomassa existentes nos cenários reais.

A solução tecnológica oferece um mapeamento exato dos focos do incêndio, mesmo em casos de visibilidade reduzida por causa do fumo, e a previsão da evolução das frentes do fogo florestal.

O projeto poderá, dentro de dois anos, vir a ser implementado na prevenção e combate a incêndios, fornecendo dados para suporte à decisão na gestão dos grandes incêndios florestais.

O investimento de 300 mil euros, financiado na totalidade pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, vai estar nos próximos dois anos em fase de ensaios de campo no Aeroclube de Santa Cruz e em análise dos dados.

Na apresentação do projeto houve um simulacro de fogo e foi usada uma aeronave não tripulada, com um peso de 50 quilogramas, uma velocidade de 90 quilómetros/hora e uma capacidade de voo até 12 horas, com a tecnologia de deteção de fogos instalada, cujas imagens foram enviadas em tempo real para a Internet.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Manuel Heitor, frisou que o projeto resultou do desafio lançado à ciência após os incêndios de 2017, disponibilizando financiamento para incentivar projetos inovadores de prevenção e combate a incêndios, com o intuito de reduzir o risco de incêndio.

O projeto pode ser também adaptado à vigilância marítima de navios ou de náufragos, acionando meios de busca e salvamento no último caso.

FCC // MLS

Continue a ler este artigo na Visão.

Comente este artigo
Anterior Webinar “Uso do fogo para renovação de pastagens: mecanismos de apoio aos pastores da Cantabria e da Galiza" - 6 de julho
Próximo ​Vinhais. ​Acidente com trator agrícola faz um morto

Artigos relacionados

Últimas

Nuno Tiago Russo é o novo secretário de Estado da Agricultura

O primeiro-ministro António Costa apresentou esta segunda-feira (21 de outubro) a lista de 50 secretários de Estado que vão integrar o Executivo. […]

Nacional

Escuteiros plantam 500 árvores na Serra da Estrela

Quinhentas árvores vão ser plantadas, no sábado, 26 de Outubro, no Parque Natural da Serra da Estrela, por escuteiros adultos, no âmbito de um projecto ambiental da associação Fraternidade de Nuno Álvares (FNA). […]

Ofertas

Oferta de emprego – CoLAB Vinha e Vinho

[Fonte: ADVID] A CoLAB VINES&WINES é uma iniciativa liderada pela ADVID em conjunto com o ecossistema vitivinícola nacional.  […]