INE: Campanha dos cereais de Inverno arranca normalmente. Produção de milho de regadio aumenta

A precipitação ocorrida durante o mês de Novembro, bem como as temperaturas amenas do início e final do mês, permitiu que se realizassem os trabalhos de mobilização do solo e sementeira de cereais de Inverno em condições agronomicamente aceitáveis, tendo igualmente promovido uma germinação e desenvolvimento normais.

O Instituto Nacional de Estatística (INE), no seu Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Dezembro de 2019, estima uma redução de 10% na área instalada de aveia, face à campanha anterior.

Produção de milho de regadio aumenta

Quanto às áreas de milho de regadio por colher, no final de Novembro, são residuais, circunscrevendo-se a zonas baixas de terrenos com textura pesada, aos quais as chuvas deste mês tornaram impossível o acesso da maquinaria convencional de colheita (ceifeiras não equipadas com lagartas).

A produtividade terá sido superior à da campanha anterior (+5%), o que, conjugado com a manutenção da área semeada, deverá conduzir a uma produção próxima das 733 mil toneladas (4% inferior à média do último quinquénio).

De referir que, em especial na Beira Litoral, o milho foi colhido com níveis de humidade muito elevados (a rondar os 25%), o que acarretou custos suplementares de secagem artificial. Existem ainda relatos de dificuldade de armazenamento do milho já colhido devido ao impasse no escoamento dos stocks armazenados.

Desagravamento da situação de seca

No final de Novembro, e de acordo com o índice meteorológico de seca PDSI, registou-se um desagravamento da situação de seca meteorológica em todo o território do Continente, sendo que a maioria das regiões a norte do Tejo já não se encontravam em seca.

As classes mais intensas de seca meteorológica (severa e extrema) já só afectavam 11% do território continental (36% no final de Outubro), distribuídos totalmente pelo Baixo Alentejo e pelo Algarve.

O teor de água no solo, em relação à capacidade de água utilizável pelas plantas, aumentou em relação ao final de Outubro em todo o território. De notar que no Baixo Alentejo e Algarve os valores ainda são inferiores a 40%, mas deixou de haver regiões com teores de água iguais ao ponto de emurchecimento permanente.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior A solução para as inundações no Baixo Mondego? Rever a obra que mudou o curso do rio
Próximo Produção de castanha mantém tendência de subida

Artigos relacionados

Nacional

Vão nascer Condomínios de Aldeia para prevenir incêndios

Serão entidades operacionalizadas pelas autarquias, em estreita articulação com as associações locais, organização de produtores florestais e entidades gestoras de baldios

Para a gestão dos espaços comuns e das faixas de gestão de combustível em torno dos pequenos aglomerados urbanos rurais O Governo quer criar a figura dos Condomínios de Aldeia, […]

Nacional

Agricultores temem falências e perdas de colheitas se greve continuar

O presidente da Confederação dos Agricultores alertou este sábado para possíveis falências e perdas de colheitas caso a greve dos motoristas de matérias perigosas se mantenha, […]

Notícias PAC pós 2020

Alemania quiere lavar su conciencia apostando por un certificado del bienestar animal antes que por el dinero de la PAC

Los ministros de Agricultura y Pesca de la Unión Europea (UE) analizarán a final de mes las «lecciones» de la covid-19 para el futuro de la producción agroalimentaria, como paso previo a la […]