Incêndios: Proteção civil prolonga estado de alerta até segunda-feira

Incêndios: Proteção civil prolonga estado de alerta até segunda-feira

A informação foi prestada aos jornalistas por Pedro Nunes, comandante adjunto operacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, que justificou a decisão de prolongar o estado de alerta amarelo devido a questões meteorológicas (vento e baixa humidade do ar) e ao facto de agosto ser o mês em que há mais afluxo de pessoas para o interior do país, o que aumenta o risco de ignições em meio rural.

Embora não se esperem temperaturas extremas até segunda-feira, prevê-se a manutenção das condições meteorológicas observadas nos últimos dias, num quadro de vento moderado a forte, quer diurno quer noturno, e humidade relativa baixa em toda a região sul do vale do Tejo e no interior norte, com especial incidência nos distritos de Castelo Branco e Guarda.

Para enfrentar estes fatores críticos, Pedro Nunes referiu que a Proteção Civil vai aumentar a vigilância aérea e terrestre, com recurso aos aviões de observação e vigilância que integram o dispositivo de combate a incêndios florestais, havendo ainda a intenção de recorrer aos ‘drones’ da Força Aérea para cumprir a missão em causa.

Na vigilância terrestre – adiantou o mesmo responsável – a vigilância vai ser reforçada com meios da GNR e da Força Aérea, antevendo-se mais “patrulhas espalhadas pelo território nacional”, com maior incidência no interior do país. No total, haverá um reforço de 100 efetivos.

O estado de alerta – precisou Pedro Nunes – vai vigorar nos distritos de Vila Real, Bragança, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Évora, Beja e Faro. “São estes os distritos que sofrerão as maiores adversidades meteorológicas”, previu.

O comandante adjunto da Proteção Civil apelou para que cada cidadão que se desloque ao interior do país seja um “vigilante” da floresta, por forma a “aumentar a resiliência” do território face aos problemas dos incêndios rurais.

No período diário de maior calor e incidência de vento, a Proteção Civil pede aos habitantes das zonas rurais que não utilizem as máquinas agrícolas ou as máquinas de combustão, como motosserras, por forma a evitar eventuais ignições, sendo ainda pedido que não usem o fogo sob qualquer pretexto.

Quanto aos meios aéreos, Pedro Nunes revelou que esta componente de combate a incêndio está “praticamente toda operacional” e que já houve atuou num incêndio ocorrido em Loulé, Algarve.

Admitiu, porém, que para o dispositivo aéreo estar completo faltam três helicópteros ligeiros.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Governo dos Açores apoia agricultores a promover o bem-estar animal nas explorações
Próximo Feira Nacional de Hortofruticultura nas Caldas Da Rainha - 16 a 25 de agosto

Artigos relacionados

Dossiers

Europa se da prisa para cerrar un acuerdo de transición de la PAC y cuánto debe durar para que no se pierdan las ayudas

Europa ha aprobado un mandato de negociación parcial para discutir con los eurodiputados el período de transición de la PAC que permitirá que […]

Nacional

Alimento para ovinos em regime extensivo: Rico Gado melhora fórmula do Ovicampo

A Rico Gado Nutrição anuncia que o seu alimento para ovinos em regime extensivo, Ovicampo, tem uma “nova fórmula mais energética”. […]

Últimas

Cascas de ovo podem ser utilizadas para melhorar regeneração óssea

Investigadores da Universidade de Massachusetts Lowell, nos Estados Unidos da América, descobriram recentemente um novo uso para as cascas de ovo – […]