Incêndios: Presidente da agência de fogos afirma que combate e prevenção estão melhores

Incêndios: Presidente da agência de fogos afirma que combate e prevenção estão melhores

O presidente da Agência Integrada de Fogos Rurais (AGIF) afirmou hoje que o combate e a prevenção dos incêndios estão melhores, apesar de ainda não estarem concluídas as reformas estruturais.

“As leis não estão na prática, mas as instituições estão a cooperar de uma forma mais intensa à escala regional e sub-regional. Temos reuniões permanentes todos os meses. Temos uma reunião de coordenação e articulação entre as várias entidades. Essas coisas estão integradas e vão funcionando”, disse Tiago Oliveira, em entrevista à agência Lusa.

O presidente da AGIF referia-se ao Programa Nacional de Ação do Plano Nacional de Gestão Integrada dos Fogos Rurais para os próximos 10 anos, que foi publicado na semana passada em Diário da República, e ao Sistema de Gestão Integrado de Fogos Rurais, em que o Governo tem até ao final do ano para regulamentar a autorização legislativa que saiu do parlamento.

Tiago Oliveira destacou que se registaram “melhorias significativas na informação” existente, no sistema de apoio à decisão e na capacidade da injeção de conhecimento especializado.

“Há argumentos para dizer e há informação que permite tomar as melhores decisões no combate e na prevenção”, assegurou, avançando ainda que está a ser dada formação aos bombeiros, sapadores e GNR em vários módulos, nomeadamente na coordenação de meios aéreos, grandes incêndios e gestão de equipas.

Sobre o combate aos fogos, Tiago Oliveira considerou que agora é necessário promover “não só os ganhos de eficácia, mas também de eficiência”, nomeadamente a contabilização dos custos de cada incêndio.

“Daí aquela nota do Tribunal de Contas dizer que é necessário contabilizar os custos que acontecem em cada incêndio para que a gestão seja feita em função de valores monetários, que é o que faz sentido. Tanto que essa nossa preocupação já vinha desde 2018”, afirmou

Em abril, os juízes do Tribunal de Contas alertaram, numa auditoria, para a não existência de um sistema que apure os custos da prevenção e combate aos incêndios, de modo a quantificar, em cada ano, os encargos associados à prevenção e combate, ao dispositivo e a cada incêndio.

O especialista sustentou que a AGIF está a insistir nesta questão.

“Estamos a acreditar que o sistema integrado interoperável que estamos a construir já tenha na Proteção Civil um esboço que permita dizer: ‘olha naquele incêndio, o valor a proteger são 10 a 15 mil euros e vocês estão lá a gastar 200 mil euros. Atenção, melhorar estas contas porque temos de ser eficientes’” precisou.

Tiago Oliveira frisou também que o Programa Nacional de Ação do Plano Nacional de Gestão Integrada dos Fogos Rurais propõe um equilíbrio, prevendo que se gaste 60% na prevenção e 40% no combate.

“Todos concordam que a prevenção é aquilo que tem de ser feito e com mais capacidade de intervenção de todos os atores”.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Proteção Civil responsável pela limpeza dos matos à volta das aldeias
Próximo Incêndios: Presidente da agência de fogos alerta para novas tragédias se nada for feito

Artigos relacionados

Nacional

PJ detém agricultor suspeito do incêndio que deflagrou em Amarante

A PJ deteve um agricultor de 51 anos fortemente indiciado da autoria de um incêndio florestal que deflagrou na manhã desta terça-feira em Bustelo, […]

Últimas

Vinha e vinho no centro da Feira Nacional de Agricultura 2019

“Vinha e Vinho” constitui o tema central da 56.ª Feira Nacional de Agricultura/66.ª Feira do Ribatejo, que decorre de 8 a 16 de Junho nas instalações do Centro Nacional de Exposições (Cnema), […]

Sugeridas

Contas Económicas da Silvicultura: Em 2017, o VAB da silvicultura diminuiu 2,3% em volume e 1,0% em valor. Em 2018, o saldo da balança comercial dos produtos de origem florestal registou um excedente de 2,6 mil milhões de euros – 2017

O ano de 2017 foi marcado por um conjunto de incêndios de grande dimensão. A superfície florestal ardida aumentou de cerca de 168 mil ha em 2016 para 502 mil ha em 2017, verificando-se um aumento das remoções e uma diminuição do preço da madeira […]