Incêndios: PCP questionou MAI sobre inquérito e acompanhamento do Governo do caso das golas antifumo

Incêndios: PCP questionou MAI sobre inquérito e acompanhamento do Governo do caso das golas antifumo

No requerimento a que a Lusa teve acesso, o deputado comunista António Filipe pergunta à tutela, dirigida pelo ministro Eduardo Cabrita, “para quando se prevê a conclusão do inquérito solicitado à IGAI [Inspeção-Geral da Administração Interna] sobre o assunto em referência” e “qual foi o acompanhamento político deste processo a nível governamental”.

No texto preambular, o PCP vinca a necessidade de “rigoroso apuramento de responsabilidades” sobre os procedimentos de aquisição dos denominados ‘kits’ de autoproteção e a natureza dos materiais em causa, designadamente das golas antifumo.

“Os procedimentos de aquisição suscitam enorme perplexidade quanto à transparência do processo que o envolveu e envolvem suspeitas de favorecimento que levaram inclusivamente à demissão do adjunto do secretário de Estado responsável pela proteção civil”, lê-se ainda no documento.

Hoje, à margem de uma ação de congratulação pelos novos passes sociais familiares, o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, evitou acrescentar mais comentários à posição já conhecida do PCP em relação à polémica das golas antifumo, reiterando a necessidade de “esclarecimento” e “apuramento da verdade”.

Quanto às notícias, hoje conhecidas, sobre os contratos com o Estado realizados por uma empresa da qual o filho do secretário de Estado da Proteção Civil é sócio, o líder do PCP considerou que “não basta levantar suspeitas, é preciso a prova” e afirmou que o seu partido “sempre pautou a sua ação pela transparência”.

Entretanto, o Ministério Público instaurou um inquérito relacionado com o caso das golas antifumo de proteção contra incêndios, informou hoje a Procuradoria-Geral da República.

O Jornal de Notícias noticiou na sexta-feira que 70 mil golas antifumo fabricadas com material inflamável e sem tratamento anticarbonização foram entregues à população abrangida pelo programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras” e custaram 125 mil euros.

Após essas notícias, que já levaram à demissão de Francisco Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, o ministro da Administração Interna mandou efetuar, através da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, testes e um relatório ao Centro de Investigação de Incêndios Florestais (CIIF), dirigido por Xavier Viegas.

Um relatório preliminar do CIIF a que a Lusa teve hoje acesso concluiu que as golas antifumo distribuídas à população não se inflamam quando expostas ao fogo.

O documento refere que após vários testes e exames a “golas iguais às que foram distribuídas à população não se inflamaram, isto é, não entraram em combustão com chama – mesmo quando sujeitas a um fluxo de calor de muito elevada intensidade”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Espaço Visual alerta agricultores para antecipação do VITIS
Próximo Feira do Pinhal em Oleiros atrai público infantil

Artigos relacionados

Nacional

Governo diz que suspensão de diploma de terras sem dono pela AR inviabiliza reforma florestal

O Governo defendeu nesta terça-feira que a suspensão por dez anos do decreto de lei das terras sem dono põe em causa a reforma da floresta e apelou, […]

Nacional

Criada linha de financiamento para business angels que queiram investir nos Açores

O Governo Regional dos Açores atribuiu um milhão de euros de fundos comunitários para a criação de uma linha de financiamento para ‘business angels’ […]

Últimas

Arroz: Corteva Agriscience recebe a aprovação da UE para herbicida Rinskor Active

A Corteva Agriscience, empresa líder no sector agrícola ao nível da tecnologia de sementes, protecção de culturas e agricultura digital, informa que recebeu a aprovação da União Europeia para o seu ingrediente activo Rinskor Active (florpirauxifen-benzilo), […]