Incêndios: Meios de combate reforçados a partir de hoje

Incêndios: Meios de combate reforçados a partir de hoje

Os meios de combate aos incêndios rurais vão ser reforçados a partir de hoje, passando a estar no terreno 8.537 operacionais, 1.940 viaturas e 37 meios aéreos.

A Diretiva Operacional Nacional (DON), que estabelece o dispositivo especial de combate a incêndios rurais (DECIR) para este ano, indica que, entre hoje e 31 de maio, o reforço de meios se situa no “nível II”, o primeiro aumento adicional do ano.

Durante este período, vão estar disponíveis 8.537 operacionais que integram as 1.966 equipas e 1.940 viaturas dos vários agentes presentes no terreno, além dos meios aéreos, que serão no máximo 37.

Entre os meios, a DON prevê, para este período, cerca de 3.156 elementos pertencentes aos bombeiros voluntários, 240 operacionais da Força Especial de Proteção Civil, 2.176 militares da GNR e os mais de 2.000 sapadores florestais.

No âmbito do DECIR está já em funcionamento, desde o dia 07 de maio, a Rede Nacional de Postos de Vigia, composta por 77 postos de vigia para prevenir e detetar incêndios.

Os meios de combate a incêndios voltam a ser reforçados em 01 de junho, mas é entre julho e setembro, conhecida pela fase mais crítica, o período que mobiliza o maior dispositivo, estando este ano ao dispor de 12.058 operacionais, 2.795 equipas, 2.656 veículos e 60 meios aéreos.

Na apresentação do DECIR, o comandante nacional da Proteção Civil, André Fernandes, destacou o reforço das capacidades do dispositivo com mais 200 operacionais na fase mais crítica e a aposta na melhoria das ferramentas de apoio à decisão operacional.

O combate aos incêndios rurais vai contar este ano com um novo instrumento para melhorar a coordenação entre as entidades envolvidas na deteção e vigilância dos fogos, denominada Diretiva Integrada de Deteção e Vigilância de Incêndios Rurais que vai ficar na tutela da Guarda Nacional Republicana.

Dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indicam que até hoje deflagraram 2.317 incêndios que resultaram em 8.119 hectares de área ardida.

Até ao final de maio do ano passado, tinham ocorrido 1.115 fogos, que provocaram 1.005 hectares de área ardida.

Comente este artigo
Anterior Co-gestão das áreas protegidas: a demagogia e a incompetência de pôr a raposa a guardar o galinheiro - Fernando Santos Pessoa
Próximo Incêndios: Prazo para limpar terrenos termina hoje e proprietários voltam a arriscar coimas

Artigos relacionados

Últimas

Covid-19: Pandemia acelera inovação no agroalimentar – Mintel

A pandemia de covid-19 está a acelerar as tendências de inovação para o setor agroalimentar, com os consumidores a privilegiarem compras com valor acrescentado, o que vai levar […]

Últimas

Apoio à Promoção de Vinhos em Mercados de Países Terceiros – Concurso n.º 1/2021 Prorrogação do prazo

No âmbito da medida de Apoio à Promoção de Vinhos em Mercados de Países Terceiros, e com vista a tentar minimizar os impactos da atual pandemia de COVID-19, o IVV decidiu prorrogar o prazo para a apresentação das […]

Notícias florestas

Presidente da CELPA critica Nova Estratégia Florestal Europeia e aponta a existência de falta de compreensão científica sobre as florestas

O presidente da CELPA – Associação da Indústria Papeleira, António Redondo, critica a forma enviesada e míope como a Floresta é apresentada no documento da Nova […]