Incêndios. Governo prolonga estado de alerta até terça-feira

Incêndios. Governo prolonga estado de alerta até terça-feira

De acordo com um despacho conjunto do Ministério da Administração Interna e do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, o prolongamento da situação de alerta, ativada desde as 0:00 de quarta-feira, é justiçado pelo “agravamento das condições meteorológicas para a globalidade do território do continente”, que aumenta o risco de incêndios.

O índice meteorológico de risco de incêndio florestal, calculado e disponibilizado pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, é “elevado, muito elevado ou máximo” nos próximos dias, afirma o comunicado do Governo, o que implica “a necessidade de adotar medidas preventivas e especiais de reação”.

A declaração da situação de alerta determina o imediato acionamento das estruturas de coordenação institucional territorialmente competentes (Centro de Coordenação Operacional Nacional e centros de coordenação operacionais distritais), refere ainda o executivo, remetendo uma redefinição do prazo para uma nova avaliação da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

O despacho que declarou a situação de alerta, assinado na terça-feira, implica medidas de caráter excecional, como a “elevação do grau de prontidão e resposta operacional por parte da GNR e da PSP”, com reforço de meios para operações de vigilância, fiscalização, patrulhamento e apoio geral às operações de proteção e socorro que possam vir a ser desencadeadas, e a proibição total de utilização de fogo de artifício ou de outros artefactos pirotécnicos.

Do rol daquelas medidas consta também a dispensa dos trabalhadores do setor público e privado que desempenhem cumulativamente as funções de bombeiro voluntário e a mobilização em permanência das equipas de sapadores florestais.

Prevê ainda a proibição do acesso, circulação e permanência no interior dos espaços florestais, previamente definidos nos planos municipais de defesa da floresta contra incêndios, bem como nos caminhos florestais e caminhos rurais.

Estão também proibidas queimadas e queimas de sobrantes de exploração, além da realização de trabalhos nos espaços florestais, com exceção dos associados a situações de combate a incêndios rurais.

O despacho governamental determina à ANEPC a emissão de aviso à população sobre o perigo de incêndio rural e prevê ainda a solicitação à Força Aérea da disponibilização de meios aéreos para, se necessário, estarem operacionais nos Centros de Meios Aéreos a determinar pela ANEPC.

Está prevista a realização pela GNR de ações de patrulhamento e fiscalização aérea através de meios da Força Aérea, nos distritos em Estado de Alerta Especial, incidindo nos locais sinalizados com um risco de incêndio muito elevado e máximo.

Continue a ler este artigo no SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Incêndios. A1 reaberta em Albergaria-a-Velha, fogo em Paus continua ativo
Próximo Previsão de longo prazo - 09 set. a 06 out. 2019

Artigos relacionados

Dossiers

Continúa el goteo a la baja en el porcino de capa blanca

A lo largo de la semana los precios del porcino de capa blanca siguieron anotando liegros descensos, mantiendo un equilibrio de mínimos entre oferta y demanda, y con unos pesos que van cediendo ligeramente. […]

Eventos

Webinar de Encerramento do Ciclo “Produção de pinheiro-bravo: fatores internacionais de sucesso” – 12 de novembro

O pinheiro-bravo também é uma cultura importante em outros países, onde existem práticas silvícolas e conhecimento que podem ser replicados ou adaptados às nossas condições. […]

Nacional

Intermarché premeia mel e aguardente.Compra 250 mil euros a produtores nacionais

Grão de bico de Casal do Vouga, Mel de Rosmaninho das margens do Alqueva ou aguardente de Pera Rocha são alguns dos seis produtos nacionais destacados na última edição do Prémio Intermarché […]