Incêndios. Época mais crítica termina na segunda-feira. A partir de terça há menos meios

Incêndios. Época mais crítica termina na segunda-feira. A partir de terça há menos meios

Depois da época mais crítica que termina no fim do mês, passa-se na terça-feira a um nível de empenho operacional denominado “reforçado de nível III”, de acordo com a Diretiva Operacional Nacional (DON), que estabelece o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR).

A partir do dia 16 de outubro e até ao fim do mês entra-se no nível de empenhamento operacional “reforçado de nível II”, passando a “permanente de nível I” nos dois últimos meses do ano.

Depois do empenho operacional “reforçado de nível IV” dos últimos três meses, o nível da primeira quinzena de outubro integra até 9.279 elementos (11.492 de julho a setembro) e até 1.972 veículos (2.493 até agora) dos vários agentes presentes no terreno e até 60 meios aéreos, além de 2.147 equipas (menos 503 do que nos meses mais críticos).

De 15 a 31 de outubro os meios aéreos passam a 39, embora a avaliação do perigo possa determinar o empenhamento de outros meios.

Nos dois últimos meses do ano, em que a mobilização de meios é a mais baixa, os meios aéreos permanentes passam a 17, três do Estado e 14 locados.

Também com o nível I, o período de 01 de janeiro e 14 de maio conta com as forças de empenhamento permanente e 14 meios aéreos.

Dados disponíveis na página da Internet do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indicam que este ano, até 27 de setembro, deflagraram 10.289 incêndios rurais, que atingiram 41.006 hectares, 51% de povoamentos florestais, 38% de matos e 11% de agricultura.

Até 01 de julho tinham deflagrado 4.888 incêndios rurais que atingiram 9.705 hectares de florestas, 41% dos quais em povoamentos florestais, 43% em matos e 17% em áreas agrícolas.

Os números indicam que houve um aumento para o dobro do número de incêndios e quadruplicou a área ardida.

No ano passado, até 15 de setembro, o ICNF tinha registado 9.725 incêndios rurais, que resultaram em 38.223 hectares de área ardida.

Até agora a época de incêndios foi também marcada por vários acidentes com aeronaves, o último deles a 05 de setembro, quando um piloto morreu na sequência da queda do helicóptero que operava no combate a um incêndio em Valongo, Porto.

O acidente foi o sexto envolvendo aeronaves de combate a incêndios durante este ano, depois de se terem registado situações em Ferreira do Zêzere e Tomar junto à Barragem de Castelo de Bode (distrito de Santarém), Pampilhosa da Serra (Coimbra), barragem do Beliche (Algarve) e Sabugal (Guarda).

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior La patata se paga un 63,6% más barata que del año pasado
Próximo Carne de vaca. E porque não? - Manuel Cancela d’Abreu

Artigos relacionados

Dossiers

Reforma de la PAC: Respaldo a que en la discusión del Plan Estratégico Nacional se debata la supresión de los derechos históricos

El sindicato Comisiones Obreras (CCOO) ve “positivo” que en la configuración de la futura Política Agraria Común (PAC) se supriman los derechos históricos como un elemento “central” […]

Últimas

PDR 2020 prorroga até 15 de Maio o prazo para candidaturas ao investimento – Cereais e Vinha

[Fonte: CAP] Foi alargado de 7 para 15 de Maio, até às 17 horas, o prazo limite para realizar a submissão de candidaturas ao investimento em Viticultura (Ação 3.2.1) e Cerealicultura e Arroz (Ação 3.2.1). […]

Últimas

“Muito fumo, muita aflição e todos os braços eram poucos”

À medida que se aproximava o concelho de Mação, o céu límpido ia escurecendo progressivamente, alimentado pelas colunas de fumo provocadas pelo fogo que consumia a floresta da freguesia de Cardigos. […]