IACA assinala 50 anos com estudo: 99,8% dos portugueses continua a comer carne e peixe

IACA assinala 50 anos com estudo: 99,8% dos portugueses continua a comer carne e peixe

[Fonte: Agricultura e Mar]

A assinalar 50 anos de existência, a IACA — Associação Portuguesa dos Industriais de Alimentos Compostos para Animais revela dados sobre o que pensam os portugueses acerca do sector e dos alimentos de origem animal — carne, peixe, leite e ovos — e sobre os sectores que os produzem.

O estudo, realizado pela GFK é apresentado esta sexta-feira, dia 25 de Outubro, na Conferência que assinala o aniversário da instituição e revela que a maioria dos portugueses (99,8 %) come carne e peixe, e que, de uma forma geral, existe falta de conhecimentos sobre o sector que fabrica a alimentação dos animais.

Atitudes face ao consumo

No que respeita às atitudes face ao consumo — um dos temas analisados neste estudo, além do relacionamento com a alimentação animal e do impacto da alimentação animal no ambiente — os dados revelam que a quase totalidade dos portugueses come carne e peixe (99,8%) e que 92% consome carne várias vezes por semana. 25% dos portugueses come carne todos os dias.

O peixe é consumido com menor frequência, embora estejam também em maioria (72%) aqueles que o consomem mais do que uma vez por semana.

O leite tem o consumo mais polarizado: tende a ser consumido todos os dias, ou não consumido de todo. Os ovos são tendencialmente consumidos entre 1 a 4 vezes por semana.

10% dos portugueses já ponderaram ter alimentação vegan

De relevar ainda, nesta área, o facto de 10% dos portugueses afirmarem que já ponderaram ter uma alimentação exclusivamente vegetariana ou vegan. Destes, a maioria (69%) ponderou fazê-lo por considerar que esta pode ser uma alimentação mais saudável.

Relacionamento com a alimentação animal

Relativamente às restantes áreas em análise no estudo, nomeadamente no relacionamento com a alimentação animal, 85% da população portuguesa afirma que gostaria de ter mais informação sobre a alimentação dos animais que dão origem a géneros alimentícios para consumo humano e 7 em cada 10 portugueses consideram que a alimentação animal tem um impacto elevado ou extremamente elevado na alimentação humana.

Quanto à segurança alimentar, apesar de se notar uma maior reserva, a maioria da população (43%) considera que a sua saúde está salvaguardada.

Impacto no ambiente

Quando questionados acerca do impacto da alimentação animal no ambiente, a maioria (76%) das pessoas não sabe que este sector recicla uma percentagem relevante de co-produtos derivados da alimentação humana, mas considera que é importante reduzir a pegada ambiental do mesmo (77%). O estudo revela ainda que 77% dos portugueses considera que a produção de alimentos para animais é uma actividade relevante em termos sócio-económicos para o País.

Estudo da GFK

O estudo foi realizado pela GFK para a IACA com o objectivo de avaliar a percepção dos portugueses sobre o sector da alimentação animal e teve por base 1.012 entrevistas, num universo constituído por homens e mulheres, com idades superiores a 18 anos, residentes de Norte a Sul do País.

A assinalar 50 anos de existência, a IACA realiza no dia 25 de Outubro a conferência ” Alimentação animal: passado, presente e futuro: uma indústria preparada para os desafios da sociedade”.

50.º aniversário da IACA

Durante o ano de 2019 a Associação Portuguesa dos Industriais dos Alimentos Compostos para Animais realiza diversas iniciativas que assinalam a comemoração do seu 50.º aniversário e que pretendem, também, dar a conhecer o sector à sociedade.

Entre as iniciativas comemorativas incluem-se a publicação de um livro institucional sobre a história da Associação, a divulgação de diversos estudos acerca das actividades e realidade do sector e a comemoração do Dia do Animal e do Dia da Alimentação Animal em diversas escolas do País.

Nas escolas é explicado aos jovens a importância da alimentação, saúde e bem-estar animal, bem como a sua relação com a saúde humana, sem esquecer o mundo rural, a pecuária e a agricultura.

As comemorações do 50.º aniversário da IACA terminam a 25 de Outubro na Conferência de Encerramento a decorrer em Lisboa sob o lema “Alimentação animal: Passado, Presente e Futuro: Uma Indústria preparada para os Desafios da Sociedade”.

58 associados

A IACA integra 58 associados — empresas de alimentos compostos para animais, pré-misturas e aditivos — e representa mais 80% da produção nacional de alimentos compostos para animais e a totalidade das pré-misturas de produção nacional.

Os principais destinos da produção desta indústria são a alimentação para animais de estimação e para as explorações pecuárias. Para estas últimas, que representam 2.760 milhões de euros e 38% da economia agrícola nacional, a alimentação animal constitui o maior factor de produção.

O sector da alimentação animal tem um impacto directo em 46.000 explorações especializadas e 37.780 mistas (actividade agrícola e pecuária).

O sector gera, anualmente, um volume de negócios de 1.426 milhões de euros, o que representa 12% do volume de negócios da agroindústria. As empresas de produção de alimentos compostos para animais empregam, actualmente, cerca de 3.500 trabalhadores, ou seja, 4% do volume de emprego do sector agroalimentar.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo IACA assinala 50 anos com estudo: 99,8% dos portugueses continua a comer carne e peixe foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior DRAP Algarve visita casos de sucesso no agroalimentar e da economia do mar
Próximo Web Summit: Londres pisca o olho empresas com soluções sustentáveis

Artigos relacionados

Nacional

O que se passou no país e no mundo

[Fonte: Expresso]

Os agricultores apelam ao Governo para que reveja a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento, […]

Nacional

Viveros California reforça departamento de investigação e desenvolvimento

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

A Viveros California, que produz plantas de berries, sobretudo de morango, […]

Últimas

Isolados, esquecidos e desanimados. “Se o lume voltar, o Estado pode vir tomar conta disto”

[Fonte: Rádio Renascença]

Dois anos depois dos incêndios
Isolados, esquecidos e desanimados. “Se o lume voltar, […]