HabMonte é um projeto-piloto de 1 milhão e 355 mil euros, a decorrer no Parque Natural de Montesinho

HabMonte é um projeto-piloto de 1 milhão e 355 mil euros, a decorrer no Parque Natural de Montesinho

O ICNF está a implementar no Parque Natural de Montesinho o Projeto de Prevenção Estrutural e Conservação de Habitats Naturais Protegidos e Espécies Prioritárias – HabMonte, materializando um importante conjunto de ações em linha com a Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade. O HabMonte é financiado pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR) e pelo Fundo Ambiental, com um investimento total de 1 milhão e 355 mil euros.

Melhorar o estado de conservação e aumentar a área de ocupação de habitats naturais protegidos com elevado valor de conservação como os carvalhais galaico-portugueses de Quercus robur e Quercus pyrenaica, melhorar o estado de conservação de espécies da fauna com elevado valor de conservação, como o lobo-ibérico, aumentar a resiliência da paisagem à perturbação causada pelos incêndios rurais, melhorar a gestão de áreas florestais sob cogestão pública e promover a comunicação, a sensibilização e o envolvimento da população e dos agentes deste território em prol da conservação do património natural local, são os objetivos.

À semelhança de muitos outros territórios de montanha, a região do Parque Natural de Montesinho tem sofrido nos últimos anos acentuadas alterações do uso e ocupação do solo, alterações demográficas, alterações dos preços dos fatores de produção e dos produtos da terra e desvalorização social e económica da atividade agrícola. Estes processos tornaram a paisagem mais homogénea e menos resiliente a perturbações extremas como os incêndios rurais e as alterações climáticas.

É neste contexto de, por um lado, elevado valor natural e, por outro, baixa resiliência da paisagem, que o Projeto de Prevenção Estrutural e Conservação de Habitats Naturais Protegidos e Espécies Prioritárias do Parque Natural de Montesinho – HabMonte, assume uma importância primordial. Permitirá materializar um conjunto muito relevante de ações fundamentais para assegurar a proteção/conservação de habitats protegidos, gerir espaços florestais sob cogestão pública, valorizar o habitat do lobo-ibérico e informar, sensibilizar e mobilizar a população para a conservação do património natural, em três áreas nucleares do Parque Natural de Montesinho: Lombada, Montesinho e Coroa.

Fotos: Foto-armadilhagem no âmbito do projeto

Comente este artigo
Anterior Presidente da Federação Agrícola dos Açores pede às indústrias de laticínios para terem “vergonha”
Próximo CTT e Dott levam batata doce de Aljezur a todo o País

Artigos relacionados

Eventos

XVII Feira do Mel 2019 – 3 de novembro – Leiria

No dia 3 de Novembro, O Centro Cultural Mercado de Sant’Ana vai receber a XVII Feira do Mel […]

Últimas

Herbicidas com desmedifame proibidos. Usados em beterraba sacarina

Os herbicidas com a substância activa desmedifame estão proibidos. A decisão é da Comissão Europeia e o Regulamento entra em vigor no dia 1 de Julho de 2019. […]

Dossiers

Brasil usa vespa como agente biológico para controlo da mosca-da-fruta

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está a utilizar  uma espécie de vespa como agente biológico para controle da mosca-da-fruta. A vespa em questão é a Doryctobracon […]