Grupo SIMAB quer conhecer melhor os seus clientes e os clientes dos seus clientes

Grupo SIMAB quer conhecer melhor os seus clientes e os clientes dos seus clientes

A SIMAB – Sociedade Instaladora dos Mercados Abastecedores quer conhecer mais profundamente a realidade dos mercados abastecedores em Portugal, razão porque está a promover um estudo de opinião a partir das quatro plataformas sob sua gestão: Lisboa, Braga, Évora e Faro.

O estudo – desenvolvido pela “Pitagórica – Investigação e Estudos de Mercado, SA” – iniciou esta terça-feira (3) o trabalho de campo no Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL), devendo estar concluído até ao verão.

«Os mercados são espaços cada vez mais complexos, abertos a novos negócios e visitantes, onde o dinamismo é fundamental para defrontar os desafios que sistematicamente nos surgem», contextualiza o CEO do Grupo SIMAB, lembrando que «existe uma enorme falta de informação sobre comerciantes e clientes».

De acordo com Rui Paulo Figueiredo, para fazer qualquer abordagem estratégica «é necessário caracterizar aprofundadamente ambos os públicos», trabalho sem o qual não será possível «definir com sucesso os mercados do futuro».

«Compreender as perceções e expetativas dos operadores e clientes de cada um dos mercados» e «aprofundar o conhecimento qualitativo da experiência de contacto com o comércio aqui desenvolvido, identificando os pontos que são valorizados, bem como os travões dos mesmos», são, assim, os primeiros objetivos deste estudo.

A partir do inquérito que está a ser colocado à consideração do público-alvo, a “Pitagórica” pretende «analisar os pontos fortes e fracos decorrentes das experiências de cada mercado», «elucidar, gráfica e analiticamente, os atributos que mais contribuem para a satisfação» e «propor recomendações» à SIMAB.

Nos objetivos específicos relativos aos consumidores inscrevem-se, por exemplo, a «caracterização dos comportamentos de compra», a «frequência de compra», a «repartição de gastos por área alimentar», a «seleção do operador», a «avaliação dos tipos de comércio», ou os «fatores potenciadores e inibidores de compra nos mercados».

Já do ponto de vista dos operadores, os objetivos específicos apontam para a sua caracterização (da natureza jurídica ao volume de negócios ou à presença “web”), para a avaliação do negócio (da oferta à competitividade), e para o seu posicionamento (perspetiva face ao investimento ou face a horários e dias de abertura).

Comente este artigo
Anterior Las frases de Juan Roig en la presentación de resultados 2017 de Mercadona
Próximo Oferta de Emprego - Comercial de Tractores e Máquinas Agrícolas (M/F) - Nacional

Artigos relacionados

Notícias mercados

Agri Marketplace lança Bairro, uma plataforma para o mercado B2C

BAIRRO por Agri Marketplace é a nova plataforma para o mercado B2C que promete fazer a diferença. […]

Dossiers

Floresta: Regime do Manifesto de Corte de Árvores

O Decreto-Lei n.º 31/2020 aprova o regime do manifesto de corte, corte extraordinário, desbaste ou arranque de árvores e da rastreabilidade do […]

Comunicados

Mundo Rural exige revisão urgente da Lei Eleitoral

António Paula Soares, que encabeça o Manifesto Pelo Mundo Rural, denuncia que o atual sistema “penaliza e continua a tirar voz ao Interior, contribuindo ainda mais para a sua desertificação”. […]