Grupo SIMAB quer conhecer melhor os seus clientes e os clientes dos seus clientes

Grupo SIMAB quer conhecer melhor os seus clientes e os clientes dos seus clientes

A SIMAB – Sociedade Instaladora dos Mercados Abastecedores quer conhecer mais profundamente a realidade dos mercados abastecedores em Portugal, razão porque está a promover um estudo de opinião a partir das quatro plataformas sob sua gestão: Lisboa, Braga, Évora e Faro.

O estudo – desenvolvido pela “Pitagórica – Investigação e Estudos de Mercado, SA” – iniciou esta terça-feira (3) o trabalho de campo no Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL), devendo estar concluído até ao verão.

«Os mercados são espaços cada vez mais complexos, abertos a novos negócios e visitantes, onde o dinamismo é fundamental para defrontar os desafios que sistematicamente nos surgem», contextualiza o CEO do Grupo SIMAB, lembrando que «existe uma enorme falta de informação sobre comerciantes e clientes».

De acordo com Rui Paulo Figueiredo, para fazer qualquer abordagem estratégica «é necessário caracterizar aprofundadamente ambos os públicos», trabalho sem o qual não será possível «definir com sucesso os mercados do futuro».

«Compreender as perceções e expetativas dos operadores e clientes de cada um dos mercados» e «aprofundar o conhecimento qualitativo da experiência de contacto com o comércio aqui desenvolvido, identificando os pontos que são valorizados, bem como os travões dos mesmos», são, assim, os primeiros objetivos deste estudo.

A partir do inquérito que está a ser colocado à consideração do público-alvo, a “Pitagórica” pretende «analisar os pontos fortes e fracos decorrentes das experiências de cada mercado», «elucidar, gráfica e analiticamente, os atributos que mais contribuem para a satisfação» e «propor recomendações» à SIMAB.

Nos objetivos específicos relativos aos consumidores inscrevem-se, por exemplo, a «caracterização dos comportamentos de compra», a «frequência de compra», a «repartição de gastos por área alimentar», a «seleção do operador», a «avaliação dos tipos de comércio», ou os «fatores potenciadores e inibidores de compra nos mercados».

Já do ponto de vista dos operadores, os objetivos específicos apontam para a sua caracterização (da natureza jurídica ao volume de negócios ou à presença “web”), para a avaliação do negócio (da oferta à competitividade), e para o seu posicionamento (perspetiva face ao investimento ou face a horários e dias de abertura).

Comente este artigo
Anterior Las frases de Juan Roig en la presentación de resultados 2017 de Mercadona
Próximo Oferta de Emprego - Comercial de Tractores e Máquinas Agrícolas (M/F) - Nacional

Artigos relacionados

Dossiers

2BForest participa na ExpoMortágua, 30/5 a 2/6

A 2BForest aposta mais uma vez na divulgação ativa da Gestão Florestal e da importância do setor florestal na dinamização das zonas rurais, participando de 30 de maio a 2 de junho na ExpoMortágua 2019, em Mortágua. […]

Comunicados

Global Food Forum: 5 orientations for a successful transition of EU agri-food systems

The 3rd Edition of the Global Food Forum took place on the 17th and 18thof September in Pavia (Italy), gathering more than 200 political, economic and institutional decision-leaders as well as representatives of the civil society and academics. The event was an opportunity to draw orientations for the future of EU policies with having an impact on EU agri-food systems including the Common Agricultural Policy. […]

Sugeridas

Agroglobal News Nr 5 – Junho

Consulte as notícias e as entrevistas realizadas durante o mês de Maio pela organização da feira Agroglobal